Aliados da senadora devem manter apoio ao PT no Acre

Muito ligado a Marina, governador Binho Marques conversou com Lula e diz que não sairá do partido

João Domingos, RIO BRANCO, O Estadao de S.Paulo

21 de agosto de 2009 | 00h00

A saída da senadora Marina Silva do PT deverá causar poucos estragos no partido no Estado de origem da ex-ministra. Como Marina firmou um acordo de apoio à candidatura do senador petista Tião Viana ao governo acreano no ano que vem, ela própria fez um apelo para que ninguém da linha de frente do partido no Acre a acompanhe na mudança para o PV. E isso deverá ser levado ao pé da letra. "Aqui no Acre é diferente do restante do Brasil. Nós fazemos parte da Frente Popular que mudou o Estado e vamos continuar atuando para impedir que os grupos atrasados e oligárquicos que dominaram a política acreana por 30 anos voltem ao poder", explica a presidente do PV, Shirley Torres. "Temos um projeto de governo que envolve o desenvolvimento sustentável que não pode sofrer abalos. Vamos manter o apoio à candidatura de Tião Viana", diz Shirley. O PV fará no próximo dia 5 uma campanha para filiação de novos militantes. Até o anúncio da entrada de Marina Silva, a pretensão era conseguir 500 novos parceiros. Agora, afirma Shirley, é possível que esse número seja triplicado. "Estamos atrás de gente do povo. Não estamos procurando nenhum figurão. Não queremos crescer bagunçando uma aliança que segue muito bem e que tem muito futuro", conclui ela. O ex-governador Jorge Viana, do PT, que governou o Acre por dois mandatos (1999 a 2006), acredita que tem a explicação para a preservação da aliança em torno dos petistas. "Em todo o Brasil, o Acre é o único Estado em que o PT está no terceiro mandato seguido, com possibilidade de chegar ao quarto. Não interessa a ninguém mudar essa realidade."Dos 22 municípios do Acre, 17 são administrados por integrantes da composição que apoia o governador Binho Marques (PT) - 12 administrados por petistas. Por ser muito ligado a Marina Silva, houve uma especulação sobre uma provável saída do governador Binho Marques do PT. Ele conversou com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e garante que não sairá. "A Marina não rompeu com o PT, não rompeu com o projeto. O que ela quer é exatamente o que nós queremos. O que pode se diferenciar é o caminho para chegar lá. Para mim, o caminho é continuar no PT, partido que abriga a minha história. Tentei convencer a Marina disso e não consegui.". Binho acha que, apesar de Marina ter saído do PT e estar a caminho do PV, não é certo que se candidatará à Presidência da República. "Percebi o desinteresse dela em uma reeleição para o Senado. De uns tempos para cá vinha sendo muito difícil animar a Marina para concorrer a um cargo. Ela pode não ser candidata a nada."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.