Aliado de Marina faz críticas a Alckmin

Dois dias depois de a candidata à Presidência pelo PSB, Marina Silva, autorizar a confecção de santinhos em que aparece ao lado do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), candidato à reeleição, o coordenador do programa de governo do PSB, Maurício Rands, disse que a administração tucana em São Paulo apresenta "problemas" e sinais de esgotamento.

RICARDO GALHARDO, Estadão Conteúdo

25 de setembro de 2014 | 10h53

"O modelo do PSDB está com problemas até aqui em São Paulo", disse Rands, ontem, durante uma de suas falas no seminário "A Indústria Brasileira na Política Econômica do Próximo Governo", promovido pelo jornal Valor Econômico. Além de aparecer nos santinhos ao lado de Marina, Alckmin tem como candidato a vice o pessebista Márcio França, colega de Rands na coordenação da campanha do partido à Presidência. O fato de o PSDB estar no governo de São Paulo há quase 20 anos é um dos principais argumentos da oposição contra Alckmin, que acusam os tucanos de fadiga de material.

Após o evento, Rands foi indagado se o modelo do PSDB para o Estado estava esgotado. "Mostra sinais de esgotamento. A renovação não surge do antigo. Ela vai surgindo dos modelos existentes. Então, para nós, estamos ajudando a política brasileira a se renovar", respondeu. Ele não explicou a quais "problemas" se referiu no debate.

Poucos minutos depois, Rands procurou a reportagem do Estado para reformular a resposta à pergunta que ele classificou como "intrigueira". "Entendemos que o modelo do PSDB esgotou-se, o modelo do PT esgotou-se e estamos propondo um novo modelo. Embora façamos alianças, partimos de um diagnóstico e respeitamos o que teve de positivo no ciclo do PSDB e no ciclo do PT", disse, constrangido, o coordenador do programa de governo do PSB.

Rands fez a crítica aos tucanos numa tentativa de se apresentar à plateia formada por representantes da indústria paulista como alternativa à polarização entre PT e PSDB. Alessandro Teixeira, coordenador do programa de governo da presidente Dilma Rousseff, e Armando Castelar, assessor econômico de Aécio Neves (PSDB), participaram do debate e também foram alvo das críticas de Rands. Segundo ele, os adversários exploram eleitoralmente as propostas de Marina, embora não tenham apresentado seus próprios projetos.

O representante do PSB deu mais detalhes sobre o modelo de composição de uma base no Congresso que sustente um eventual governo de Marina. De acordo com ele, a fórmula atual que prevê indicações de nomes para cargos no governo em troca de apoio parlamentar será abandonado. O método de negociar com os líderes das bancadas de cada partido também será deixado de lado. "Não vamos nos limitar à representação formal dos partidos, vamos dialogar também com os representantes do povo brasileiro que nem sempre estão comungando com a posição daquele líder partidário", afirmou Rands.

Questionado se o sistema de emendas parlamentares - motivo de crises entre governo e Congresso durante a gestão Dilma - será mantido, ele disse que, se Marina for eleita, os parlamentares podem ser chamados a indicar o destino de verbas públicas. "Tem gente (na equipe de Marina) que propõe modelos em que o parlamentar pode indicar (a destinação de verbas) porque ele tem uma capilaridade que, às vezes, um técnico que está em Brasília não tem. Às vezes ele conhece a base, a realidade de um pequeno município até mais do que um técnico", defendeu Rands. Segundo ele, parlamentares ligados à "velha política", adeptos do "toma lá dá cá", devem ficar na oposição em um eventual governo de Marina.

Indagado sobre a família Bornhausen com quem Marina dividiu palanque anteontem em Florianópolis, Rands repetiu o argumento de Eduardo Campos, morto em um desastre aéreo no dia 13 de agosto. "A nova política não surge da Escandinávia nem de Marte. Estamos criando um novo polo com base em um programa", concluiu. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesSPAlckminMarinaRands

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.