Aliado de Dantas tenta afastar De Sanctis da Satiagraha

Dório Ferman sustenta que o juiz está impedido de continuar à frente da ação penal contra banqueiro

Agência Estado,

12 de março de 2010 | 13h03

O engenheiro Dório Ferman, braço direito do banqueiro Daniel Dantas, pediu exceção de suspeição do juiz da 6ª Vara Criminal da Justiça Federal de São Paulo, Fausto Martin De Sanctis, para que ele se afaste da presidência do processo da Operação Satiagraha. Ferman sustenta que o juiz está impedido de continuar à frente da ação penal sobre suposto esquema de evasão de divisas e lavagem de dinheiro - investigação da Polícia Federal (PF) que o envolve e a Dantas. De Sanctis não se manifestou sobre o caso.

Esta não é a primeira vez que o grupo do dono do Opportunity pede a suspeição do juiz. Desde que a operação foi deflagrada, em 2008, aliados de Dantas fustigam o magistrado, até aqui sem sucesso. A novidade agora é o argumento central da petição - o magistrado, em julho de 2009, ingressou com ação de indenização por dano moral contra uma revista que publicou reportagens sobre Satiagraha e citou seu nome.

A exceção é subscrita pelo advogado criminal Antônio Sérgio Pitombo de Moraes, que defende Ferman. Ele sustenta que De Sanctis "almeja ganhar bilhões com a ação". Avalia que o juiz está "impedido de conduzir a demanda por ausência de distanciamento e serenidade em relação à causa". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.