Aliado de Cunha recém indicado para Conselho de Ética renuncia à vaga

Oficialmente, Nilton Capixaba (PTB-RO) alegou, por meio de sua assessoria de imprensa, que 'não dispõe de tempo suficiente' para participar das reuniões do colegiado

Igor Gadelha e Daiene Cardoso, O Estado de S. Paulo

16 Fevereiro 2016 | 12h20

Brasília - Um dia após ser noticiado que foi indicado para integrar o Conselho de Ética no lugar de Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), o deputado Nilton Capixaba (RO) renunciou à vaga de titular do colegiado. Oficialmente, o parlamentar alegou, por meio de sua assessoria de imprensa, que "não dispõe de tempo suficiente" para participar das reuniões do conselho. O líder do PTB na Câmara, Jovair Arantes (GO), ainda não indicou o substituto.

Capixaba tinha sido indicado para o Conselho de Ética por Jovair Arantes, após Faria de Sá renunciar à vaga de titular, em troca da promessa de ser indicado por Arantes para a presidência da comissão de Seguridade Social da Casa. A manobra visava beneficiar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que é alvo de processo por quebra de decoro parlamentar no colegiado.

Cunha seria favorecido com a mudança, pois Faria de Sá foi um dos 11 deputados que declararam voto a favor da continuidade do processo contra o peemedebista, enquanto a expectativa era de que Nilton Capixaba seguisse orientação do líder do PTB e votasse a favor do presidente da Câmara no caso.

Capixaba afirmou, por meio de sua assessoria, que não teria como participar das reuniões do Conselho de Ética, pois é presidente estadual do PTB de Rondônia e, por isso, precisa estar no Estado todas as quintas e sextas-feiras. "Seria muito dispendioso para ele, que tem um perfil muito municipalista", afirmaram assessores do parlamentar ao Broadcast Político.

A assessoria de Capixaba negou que o fato dele já ter sido alvo de processo no Conselho de Ética em 2006, devido a suposto envolvimento no escândalo da máfia dos sanguessugas, tenha motivado a decisão de renunciar ao posto no Conselho de Ética.

Nesta tarde, o Conselho de Ética voltará a se reunir. Na ocasião, o presidente do colegiado deverá formalizar a concessão de vista feita por aliados de Eduardo Cunha. Araújo foi obrigado a conceder o pedido de vista após o vice-presidente da Câmara, Valdir Maranhão (PP-MA), aliado de Cunha, atender a recurso apresentado pela "tropa de choque" do peemedebista, e anular a votação do parecer preliminar que pedia a cassação de Cunha.

Com a saída de Capixaba, qualquer um dos nove suplentes do bloco liderado pelo PMDB que registrar presença primeiro na reunião da tarde desta terça-feira poderá votar. Entre os 9, apenas Onyx Lorenzoni (DEM-RS) já declarou oposição a Cunha no processo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.