Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Aliado de Cunha, Paulinho da Força deve integrar o Conselho de Ética

Paulinho pretende tornar-se membro do colegiado que aprecia o processo de cassação de Cunha por quebra de decoro parlamentar no lugar do deputado Wladimir Costa (SD-PA), que renunciará ao assento no conselho por problemas de saúde

Daniel Carvalho e Daiene Cardoso, O Estado de S. Paulo

03 Novembro 2015 | 21h34

Brasília - Aliado do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (SD-SP) deve integrar o Conselho de Ética a partir desta quarta-feira, 4. Paulinho pretende tornar-se membro do colegiado que aprecia o processo de cassação de Cunha por quebra de decoro parlamentar no lugar do deputado Wladimir Costa (SD-PA), que renunciará ao assento no conselho por problemas de saúde. Ele passou por cirurgias de coluna.

Diferentemente do que acontece em outras comissões, membros do Conselho de Ética não podem ser substituídos, a não ser em casos de renúncia ou morte.

Inicialmente, a ideia de Paulinho era substituir Wladimir Costa ainda nesta terça-feira, 3, o que não foi possível porque o deputado paraense não apresentou sua renúncia a tempo.

Paulinho diz que integrará o conselho para acompanhar de perto a representação que apresentou na semana passada contra o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), que deve ser logo remetida ao colegiado. A interlocutores afirmou que, compondo o conselho, "resolve logo dois problemas de uma vez".

Nesta terça-feira, além de dar início ao processo de Cunha, o Conselho de Ética sorteou seis membros para relatar os casos dos deputados Alberto Fraga (DEM-DF) e Roberto Freire (PPS-SP).

Para o processo contra Fraga foram sorteados Betinho Gomes (PSDB-PE), Nelson Marchezan Júnior (PSDB-RS) e Washington Reis (PMDB-RJ). Para o caso Freire: Paulo Azi (DEM-BA), Leo de Brito (PT-AC) e Vinícius Gurgel (PR-AP), este último também sorteado para o processo de Cunha.

Fraga e Freire são acusados pelo PC do B de agredir a líder da bancada do partido, Jandira Feghali (RJ), após um bate-boca no plenário durante a votação da Medida Provisória 665. Na ocasião, Fraga disse que mulher que "bate como homem tem que apanhar como homem também". 

Jandira perguntou por que a representação chegou tão tarde no Conselho, já que foi protocolada na Mesa Diretora no dia 13 de maio deste ano e só foi devolvida ao colegiado em 28 de outubro. A líder disse entender que havia uma intenção do comando da Casa de "embolar" os trabalhos no Conselho. "É uma posição política clara da Mesa", afirmou. 

"Quando vossa excelência entender, vossa excelência me explique", respondeu o presidente do colegiado José Carlos Araújo (PSD-BA). "Não posso explicar o inexplicável", emendou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.