Aliado de Aécio, Marcus Pestana defende saída de Tasso da presidência do PSDB

Deputado mineiro afirma que se cearense continuar na chefia, partido 'sai esfacelado do governo'

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

21 Agosto 2017 | 15h02

Aliado do senador Aécio Neves (MG), o deputado Marcus Pestana (MG) defendeu nesta segunda-feira, 21, a saída do senador Tasso Jereissati (CE) da presidência interina do PSDB. Pestana afirmou que, se o parlamentar permanecer no posto, o partido sairá esfacelado do governo.

"Infelizmente caminhamos para um impasse. Tasso agiu por seis vezes em curto espaço de tempo contra a posição majoritária. Agora ou ele se afasta e prevalece a visão da maioria, ou ele fica e o partido sai esfacelado do governo", afirmou o deputado mineiro ao Estado/Broadcast Político. A declaração de Pestana é uma reação ao programa partidário do PSDB veiculado na quinta-feira passada, 17, em cadeia nacional de rádio e TV, no qual o partido critica o governo do presidente Michel Temer. Na propaganda, a legenda faz uma "autocrítica" por ter "aceitado o fisiologismo". 

O programa gerou forte reação da ala do PSDB que defende a permanência no governo. Na sexta-feira passada, 18, vários tucanos já defendiam a saída de Tasso da presidência interina, só que apenas nos bastidores. 

Como mostrou o Estado/Broadcast Político, tucanos da ala governista querem que Aécio reassuma a presidência do PSDB temporariamente e escolha outro vice-presidente para comandar o partido até dezembro, quando haverá nova eleição da executiva.

Nos bastidores, apostam no senador Flexa Ribeiro (PA) ou no deputado Giuseppe Vecci (GO) como substitutos de Tasso. As apostas em Flexa e Vecci se dão por exclusão entre os oito vice-presidentes da sigla.

Além deles e de Tasso, são vice-presidentes os deputados Carlos Sampaio (SP) e Mariana Carvalho (RO), o ex-governador de São Paulo Alberto Goldmann e os ministros Aloysio Nunes (Relações Exteriores) e Bruno Araújo (Cidades).

Os ministros, por ocuparem os cargos no governo, não poderiam assumir a presidência do partido. Já Sampaio, Marina e Goldmann fizeram declarações públicas a favor do desembarque do PSDB do governo Temer. Os dois primeiros, inclusive, votaram pela aceitação da denúncia contra Temer na Câmara, no início de agosto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.