Alexandre Padilha vira opção na Saúde para barrar Ciro

Sem encontrar um expoente técnico com capacidade de dar projeção nacional ao Ministério da Saúde, e sob pressão pelo desejo do deputado Ciro Gomes (PSB-CE) de assumir a pasta, a presidente eleita, Dilma Rousseff, deve dar uma solução política e caseira e nomear para o cargo o ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha (PT). A solução agrada ao PT, que retoma o ministério, atualmente nas mãos do PMDB. Dilma fecha nesta semana o quebra-cabeça ministerial com a confirmação das cotas do PSB, do PCdoB e a conclusão dos ministros petistas.

AE, Agência Estado

20 Dezembro 2010 | 07h56

A pasta da Saúde passou a ser alvo de cobiça de Ciro Gomes. O PSB, no entanto, não tinha incluído essa demanda nas conversas entre o presidente da legenda e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, e a presidente eleita. O PSB tem assegurado dois ministérios: o da Integração Nacional e dos Portos, que será incrementado com a inclusão de atribuições hoje a cargo da Infraero, como a administração dos aeroportos brasileiros.

O ministério passou a ser atraente com as obras previstas nos aeroportos a partir do próximo ano para atender a compromissos decorrentes da Copa do Mundo, em 2014. Inicialmente tranquila, a definição da cota do PSB virou um problema depois que Dilma convidou Ciro para integrar o primeiro escalão. O PSB, que não o indicou, ficou na situação de não ter poder para vetá-lo. Com a entrada de Ciro, sai do jogo o deputado que representaria a bancada de 34 deputados no ministério.

O PSB considera um problema do PT e escolha pessoal da presidente Dilma, fora da cota partidária, a eventual indicação do senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) para o primeiro escalão. A saída de Valadares do Senado abriria vaga para o suplente José Eduardo Dutra (PT-SE), presidente do partido. Para o atual cargo de Padilha, o PT indicou o deputado Luiz Sérgio (RJ). O nome do líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (SP), passou a ser cogitado após ter sido derrotado pelo deputado Marco Maia (PT-RS) na disputa pela indicação da bancada petista para concorrer à presidência da Câmara.

Com 11 ministérios já assegurados, o PT deve inovar no governo Dilma com a indicação do atual secretário-geral da Presidência, Luiz Dulci, para o Ministério da Cultura. Faltam as confirmações dos nomes para o Ministério de Desenvolvimento Agrário e para o Ministério do Desenvolvimento Social, a pasta do programa Bolsa-Família. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
transição Dilma ministérios Saúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.