Alerta: carnaval aumenta o risco do preservativo falsificado

A proximidade do carnaval trouxe uma preocupação a mais para a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa): o risco de aumento no mercado de preservativos falsificados. Embora apreensões do produto tenham sido registradas nos últimos anos, diretores da Anvisa admitem que pouco sabem sobre essa atividade.?É um trabalho de formiga, que exige a atuação de vários organismos ?, diz a gerente de investigação de medicamentos e produtos da agência, Graça Hoffmeister.A agência não sabe, por exemplo, quantos preservativos falsificados foram apreendidos no País. Desconfia de que o produto seja produzido na China e que chegue pela fronteira do Paraguai. ?Sozinhos não temos como controlar o problema. Uma ação conjunta tem de ser desencadeada?, afirma o gerente da Anvisa, Paulino Araki.Feitas sem controle de qualidade, camisinhas falsificadas podem apresentar porosidade excessiva ou pouca resistência. Características que expõem o usuário ao risco de contágio de DSTs ou de uma gravidez indesejada.O pouco cuidado com o produto não se repete na embalagem. ?Eles estão se especializando. Quando fazemos um alerta para a população identificar o produto falsificado, eles corrigem as falhas?, diz Araki.Hoffmeister acredita que ainda neste semestre um trabalho conjunto de investigação seja realizado. Um manual ensinando técnicas de investigação para técnicos da Anvisa foi feito. ?Combater a falsificação não é uma tarefa fácil. Principalmente quando os distribuidores vêm com pequenos lotes do produto e vendem em pequenos estabelecimentos ou para ambulantes.? E isso, completa, ocorre tanto no Brasil quanto em outros países.Enquanto isso, fabricantes que têm seus produtos falsificados recorrem a empresas particulares, especializadas em coibir esse tipo de comércio. A Inal, fabricante do preservativo Olla, por exemplo, nos últimos seis meses gastou cerca de R$ 50 mil nesse tipo de serviço. A Johnson & Johnson, fabricante da camisinha Jontex, também contratou uma assessoria para realizar as investigações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.