Tania Rego/Agência Brasil, Fabio Motta/Estadão e Alerj
Tania Rego/Agência Brasil, Fabio Motta/Estadão e Alerj

Alerj diz que não vai questionar decisão do TRF-2 sobre prisão de deputados

Em nota, a Mesa Diretora lembrou, porém, que um comunicado do TRF-2 da semana passada dizia que caberia à Alerj decidir sobre a prisão

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

21 Novembro 2017 | 19h18

RIO - A Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) enviou nota no início da noite desta terça-feira, 21, informando que não vai questionar o entendimento do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), que decidiu mandar de volta à prisão os deputados Jorge Picciani - presidente da casa -, Paulo Melo e Edson Albertassi (PMDB). Eles foram presos na quinta-feira, 16, sob acusação de corrupção, soltos um dia depois, após votação na Alerj neste sentido, e, nesta terça-feira, encarcerados novamente.

+++ Alerj retoma trabalhos sob ameaças na Justiça após soltura de deputados

"Apesar de entender que os casos anteriores de relaxamento de prisão votados pela Alerj (dos deputados Álvaro Lins, em 2008, e José Nader Júnior, em 2005), onde não houve questionamento por parte do Judiciário, validariam o procedimento de soltura adotado pela Casa na última sexta-feira, a Mesa Diretora da Casa decidiu não questionar o entendimento do TRF-2, que em sessão extraordinária nesta terça-feira deliberou que a soltura dos deputados Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi teriam que ter sido submetidos àquela Corte", diz a nota.

+++ Deputados repudiam restabelecimento de prisão

Foi realizada nesta tarde uma reunião extraordinária da Mesa, e dez dos onze membros assinaram ofício comunicando ao TRF-2 a decisão pela soltura da última sexta-feira, "conforme previsto nos artigos 53 da Constituição federal e 102 da estadual, que determinam que parlamentares só podem ser presos em flagrante delito e por crime inafiançável".

+++ Procurador diz que decisão de restabelecimento de prisão de deputados é histórica

A Mesa Diretora lembrou na nota à imprensa que um comunicado do TRF-2 à Alerj da semana passada, assinado pelo desembargador relator do processo, Abel Gomes, dizia que caberia a Alerj decidir sobre a prisão. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.