Alerj aprova abertura de processo de cassação de Álvaro Lins

Deputado é acusado de ser o chefe de uma suposta quadrilha que vendia proteção à máfia dos caça-níqueis

Elvis Pereira, do estadao.com.br,

10 de junho de 2008 | 12h55

Por unanimidade, a mesa diretora da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou no início da tarde desta terça-feira, 10, o pedido de abertura do processo de cassação do deputado estadual Álvaro Lins (PMDB), por quebra de decoro parlamentar.   Veja também: PF vê elo entre Álvaro Lins e milícias Entenda a Operação Segurança Pública, que envolve Garotinho PF cumpre mandado de busca na casa do ex-governador PF prende ex-chefe de polícia do RJ; MP denuncia Garotinho   Agora, Lins tem cinco dias para apresentar sua defesa ao Conselho de Ética da Casa. O deputado, que comandou a Polícia Civil do Rio entre 2000 e 2006, foi um dos alvos da Operação Segurança Pública S/A, da Polícia Federal (PF), e chegou a ser preso.   As investigações da PF também envolvem o ex-governador Anthony Garotinho - que governou o Rio entre 1999 e 2002 e depois se tornou secretário de Segurança do governo da mulher, Rosinha. Garotinho daria sustentação política a policiais corruptos liderados por Álvaro Lins, que chegou a ser preso.   Segundo a polícia, delegacias eram loteadas para cobrar propinas de empresários e de grupos criminosos, como a máfia dos caça-níqueis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.