Alencar volta ao hospital e passa pela 15ª cirurgia

De acordo com médicos, vice chegou com dor abdominal causada por nova obstrução no intestino

Moacir Assunção, O Estadao de S.Paulo

25 de julho de 2009 | 00h00

Apenas um dia após receber alta, o vice-presidente José Alencar teve de retornar ontem ao Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, para se submeter a uma nova cirurgia. Foi a 15ª operação de Alencar, que luta desde 1997 contra um câncer. A de ontem foi uma colostomia, procedimento médico em que se usa uma bolsa que fica do lado externo da pele. A ideia é que a colostomia diminua a pressão sobre o intestino grosso, ao lado do qual dois tumores pressionam o intestino e o reto do vice, causando fortes dores.Alencar chegou ontem de ambulância ao hospital por volta das 9h30. Durante a manhã, o vice passou por exames, que detectaram a nova obstrução. A operação foi iniciada às 16h45 e terminou somente por volta das 20 horas. De acordo com o cirurgião Raul Cutait, o intestino do vice-presidente já estava dando sinais de obstrução há cerca de um mês e meio. "Já havíamos sugerido ao vice-presidente que fizesse a colostomia, mas ele não quis. Pediu que déssemos oportunidade para que a obstrução se resolvesse com tratamentos alternativos. Infelizmente, a evolução não foi tão favorável como todos queríamos", afirmou Cutait. Segundo ele, a cirurgia foi bem sucedida e Alencar deve ficar internado no hospital de cinco a sete dias para se recuperar. "Foi como se fosse uma cirurgia menor. Mais uma vez, ele foi um bravo e um forte", comentou.Alencar havia deixado o hospital na quinta-feira, após permanecer internado por duas semanas. Ele havia se submetido a outra operação para retirar obstruções localizadas no intestino delgado. Cutait explicou que, dessa vez, as obstruções eram no intestino grosso, próximo ao reto, onde ainda ficaram alguns tumores.Quando deixou o hospital anteontem, o vice já não demonstrava o costumeiro otimismo. Disse estar "confiante, porém consciente" de seu estado de saúde. E admitiu: "A vida não é fácil".Após o período de recuperação, Alencar deve voltar a tomar os medicamentos que são parte de um tratamento experimental a que ele vem se submetendo nos Estados Unidos. Segundo o oncologista Paulo Hoff, os remédios têm, ao menos, diminuído sensivelmente a evolução dos tumores que acometem o vice-presidente. "Agora, ele vai para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e se recuperará com tranquilidade", disse, assim que terminou a cirurgia.O presidente Luiz Inácio Lula da Silva ligou para o vice às 12 horas direto de Assunção, no Paraguai, onde participa do encontro de cúpula do Mercosul, e a primeira-dama Marisa Letícia por volta das 17 horas. Alencar já havia tomado a iniciativa de telefonar a Lula pela manhã. Além de conversar comLula, o vice recebeu telefonemas de alguns ministros, que procuravam saber de seu estado de saúde do vice, informou o chefe de gabinete, Adriano Silva. Os filhos do vice-presidente o visitaram no hospital e passariam a noite ao seu lado. "A família ficou muito satisfeita com as explicações dos médicos", afirmou Silva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.