Alencar sai do hospital e chama pacote de 'remendo'

Vice-presidente voltou a defender uma reforma tributária que simplifique a arrecadação de tributos no Brasil

Ana Conceição, da Agência Estado,

06 Janeiro 2008 | 12h58

O vice-presidente da República, José Alencar, recebeu alta no final da manhã deste domingo do hospital Sírio Libanês, em São Paulo, onde esteve internado desde quinta-feira para tratamento de quimioterapia, para combate de um câncer no abdome. Alencar mostrou-se pouco otimista com o tratamento. "Rezem para mim, que o negócio está feio. Estou saindo satisfeito porque eu sou assim mesmo, mas que a coisa é preta é". Alencar volta amanhã para Brasília, por volta das 10 horas da manhã, e retorna a São Paulo daqui a três semanas para uma nova sessão de três dias de quimioterapia no mesmo hospital. Mesmo com problemas de saúde, os vice-presidente não deixou de fazer críticas às medidas adotadas recentemente pelo governo. Ele classificou de remendo o pacote tributário anunciado na semana passada, que aumentou as alíquotas do IOF sobre crédito e da CSLL para bancos. "A questão tributária não será resolvida com esse tipo de remendo". O vice-presidente voltou a defender uma reforma tributária que simplifique a arrecadação de tributos no Brasil. Ele afirmou, no entanto, que o governo está compromissado com a reforma e, na sua opinião, deveria negociá-la com os governadores. Quanto às declarações de partidos da oposição de que o governo teria traído o Congresso ao aumentar a alíquota dos dois tributos, Alencar apenas disse que o governo é democrático e que não cabe a ele achincalhar a oposição. Ao mesmo tempo, o vice-presidente ressaltou a importante do equilíbrio fiscal. "Não se pode brincar com o orçamento, a inflação sempre foi uma preocupação do presidente. Não queremos mais a inflação e, por isso, temos que ter equilíbrio orçamentário".

Mais conteúdo sobre:
Pacote fiscalCPMFIOF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.