Alencar recebe visitas, mas segue na UTI

Vice conversou com o presidente Lula e a presidente eleita por 15 minutos e afirmou que pretende ir à posse de Dilma, em Brasília

Daiene Cardoso, da Agência Estado,

23 Dezembro 2010 | 20h30

SÃO PAULO - Internado com hemorragia intestinal no hospital Sírio-Libanês, o vice-presidente da República, José Alencar, melhorou do sangramento ontem e disse que pretende ir à posse da presidente eleita, Dilma Rousseff, no dia 1º de janeiro, "de qualquer jeito", Ele recebeu a visita de Dilma e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

 

Um boletim médico divulgado no início da tarde desta quinta-feira, 23, informava que Alencar apresentou "melhora do quadro com redução importante do sangramento". A nota dizia que o paciente estava acordado e deveria permanecer na UTI para tratamento médico.

 

Alencar foi internado na quarta-feira na UTI do Sírio-Libanês para tratamento de uma hemorragia digestiva atribuída a um tumor no intestino delgado. Lula, que esteve com o vice durante cerca de 15 minutos, disse que o maior desejo de Alencar é comparecer à posse da presidente eleita. "Ele só tem um desejo: é poder sair do hospital no dia 1º (de janeiro) para, às 4 horas da tarde, estar na posse da companheira Dilma lá em Brasília. E ele diz que vai de qualquer jeito, nem que seja de cadeira de rodas", disse Lula.

 

O comentário foi feito por Lula durante comemoração de Natal com catadores de papel e moradores de rua em São Paulo, para onde o presidente seguiu após visitar Alencar. O presidente pediu que todos fizessem uma oração pelo vice-presidente. "Como aqui ninguém é médico e não faz milagre, queria que todos rezassem o Pai Nosso", disse Lula.

 

Segundo a assessoria de imprensa do Planalto, o vice-presidente teria brincado com Lula sobre o desejo de participar da cerimônia de posse de Dilma. "Espero estar lá e que os médicos me liberem para tomar um golinho", teria dito, bem-humorado, Alencar, segundo relato da assessoria de imprensa.

 

Novo ministério

 

Durante a conversa com Dilma e Lula, Alencar elogiou a escolha dos ministros de Dilma, em especial a permanência de Guido Mantega à frente do Ministério da Fazenda e a indicação do novo presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini.

 

No encontro, eles conversaram sobre o estado de saúde de Alencar, política, economia e os negócios da família, uma vez que o filho caçula de Alencar, Josué Gomes da Silva, presidente da Coteminas, estava lá.

 

Dilma e Lula saíram otimistas do encontro. "Estou te esperando lá", afirmou Dilma, referindo-se à cerimônia de posse na Presidência. No fim do encontro, Alencar brincou e disse que ainda vai dançar um xaxado.

 

Boletim

 

O único da equipe médica que falou rapidamente com a imprensa na manhã de ontem foi Roberto Kalil Filho. Ele confirmou que Alencar respira sem a ajuda deaparelhos. O boletim divulgado é assinado pelo direto técnico hospitalar Antonio Carlos Onofre de Lira e pelo diretor clínico Paulo Ayroza Galvão e equipe médica de Alencar, formada pelos médicos Paulo Hoff, Raul Cutait, Ademar Lopes, Roberto Kalil Filho e Yana Novis, David Uip e Miguel Srougi.

 

Na quarta-feira à noite, os médicos haviam afirmado que o estado de saúde de Alencar era "crítico". Ele foi submetido a uma cirurgia de urgência naquela noite para tentar tratar "uma hemorragia digestiva grave atribuída a tumorsangrante no intestino delgado". No entanto, "devido a intensas aderências entre as alças intestinais e a parede abdominal não foi possível abordar o tumor", segundo o boletim.

 

Tratamento

 

A cirurgia, a 17ª a que ele se submeteu nos últimos anos, durou três horas. Ele luta contra um câncer na região abdominal há mais de dez anos. Alencar, de 79 anos, havia acabado de ter alta de uma hospitalização por 24 dias com obstrução intestinal. Ele passou por uma cirurgia em 27 de novembro, quando foi retirado um segmento do intestino obstruído por tumores. Durante esse período em que permaneceu internado, ele realizou sessões de hemodiálise (filtração do sangue).

Mais conteúdo sobre:
José Alencar saúde UTI melhora

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.