Alencar passa pela 14ª intervenção cirúrgica

Em procedimento que durou cerca de seis horas, alguns tumores foram retirados para desobstruir o intestino; não há ainda previsão de alta

Ricardo Brandt, O Estadao de S.Paulo

10 de julho de 2009 | 00h00

O vice-presidente da República, José Alencar, de 77 anos, enfrentou ontem a 14ª intervenção cirúrgica na luta que trava contra o câncer desde 1997. Depois de sentir fortes dores no abdômen, na quarta-feira, Alencar foi levado às pressas ao Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, onde passou por exames e os resultados apontaram uma espécie de obstrução em uma alça do seu intestino (uma suboclusão intestinal). Após pouco mais de seis horas na mesa de cirurgia, o procedimento foi concluído com sucesso. "Foi uma cirurgia para desobstrução do intestino decorrente de alguns nódulos tumorais que ele já havia apresentado. A cirurgia foi revestida de pleno sucesso, havia obstrução de mais de um ponto e foi possível liberar o intestino em todos esses pontos. Foi possível retirar também parte dos tumores e ele tolerou muito bem o procedimento", afirmou o gastroenterologista Raul Cutait, minutos após o término da cirurgia.Durante o procedimento, além da obstrução, foram removidos boa parte dos tumores abdominais do vice-presidente. "A proposta não era tirar todos os tumores e, sim, resolver o problema da obstrução. Mesmo assim, foi possível retirar tudo que estava dentro do abdômen. Ficaram dois nódulos na região pélvica", disse Cutait, acrescentando que, ao todo, dez nódulos foram removidos .Cutait, que junto com o médico Admar Lopes, realizou a cirurgia, afirmou que durante o procedimento o vice-presidente não teve complicações. "Não sangrou, não subiu a pressão, teve diurese boa, tudo ótimo. Ele se comportou quase como um adolescente", ressaltou o médico, que enfatizou a força de vontade de Alencar na luta contra o câncer. "A vontade de sobreviver e sua luta, inclusive, norteia nós médicos na busca de novos caminhos no tratamento contra o câncer."O oncologista que acompanha Alencar, Paulo Hoff, disse que por conta dos 18 tumores que Alencar tem na região abdominal, o intestino do vice-presidente apresentou afunilamento em alguns pontos, o que gerou a crise aguda de dor que levou à internação na quarta-feira. A cirurgia, prevista para para durar 3 horas, acabou estendida devido a descobertas de outros pontos de obstrução. "É relativamente comum em pessoas que têm um número maior de tumores na cavidade abdominal ter outros pontos com certa diminuição do calibre do intestino. Havia outros pontos e eles também foram removidos", explicou Hoff.Com os procedimentos realizados ontem, Alencar deve ter resolvido o problema das dores e seu intestino deve voltar a funcionar normalmente. A previsão é que ele ainda permaneça dois dias na UTI e pode ficar uma semana no hospital. Uma nova cirurgia foi descartada.Na manhã de ontem, Alencar recebeu um telefonema do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está na Itália, no encontro do G-8. Segundo o chefe de gabinete de Alencar, Adriano Silva, Lula afirmou que visitará Alencar no hospital neste sábado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.