Alencar elogia Lula, fala do câncer e é aplaudido de pé

Vice, que já foi submetido a 15 cirurgias, fez discurso na cerimônia de abertura do Ano Legislativo

Carol Pires, da Agência Estado,

02 Fevereiro 2010 | 12h51

O vice-presidente da República, José Alencar, elogiou nesta teça-feira, 2, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva na cerimônia de abertura do Ano Legislativo, realizada no Congresso Nacional. Segundo Alencar, Lula tem dado o exemplo "de como um presidente de um país como o Brasil deve atuar, especialmente nas relações internacionais, elevando o nome do Brasil como nunca antes". Em um discurso emocionado, José Alencar também disse estar confiante de que ficará curado do câncer no abdome, doença contra a qual luta há mais de uma década. Ao final, foi aplaudido de pé.

 

Veja também:

link Congresso Nacional inicia as atividades de 2010

link Lula exalta papel do Congresso durante crise financeira

link No Congresso, Lula elogia missão do Brasil no Haiti

link Lentidão do Judiciário 'é um mito', diz Mendes

 

O vice-presidente chegou a brincar com a plateia de senadores, deputados e ministros do Executivo e do Judiciário e disse ter a consciência de que todo o apoio que recebe na rua não deverá se converter em votos nas eleições de outubro. Alencar tem dito que, dependendo de suas condições de saúde, poderá disputar uma vaga no Senado por Minas Gerais.

 

José Alencar, ao lado da ministra Dilma Rousseff e do presidente da Cãmara, Michel Temer

"O apoio advêm da solidariedade a este momento no qual estou lutando contra uma moléstia pesada, que é o câncer, passei por 15 cirurgias. Não tenho a ilusão de que isso se revele em votos na próxima eleição, porque se eu pensasse isso, estaria preparado para receber 100% dos votos", disse o vice-presidente, arrancando risos dos presentes.

Ao final do discurso, José Alencar voltou a dizer que não teme o câncer. "Se Deus quiser me levar agora, não precisa do câncer para isto. E se quiser que eu fique, não há câncer que me leve", disse José Alencar, que recebeu um afago da ministra Dilma Rousseff, da Casa Civil, e foi aplaudido de pé pelos deputados e senadores presentes à sessão de abertura do Ano Legislativo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.