Alencar diz ser contra CPI que ´não dá em nada´

O vice-presidente da República e ex-ministro da Defesa, José Alencar, defendeu, na terça-feira, 10, a realização de comissões parlamentares de inquérito "para apurar qualquer tipo de irregularidades". "Fui senador, numa ocasião fizeram uma denúncia contra mim e eu assinei primeiro uma CPI para investigar o que havia", lembrou. Alencar disse que a preocupação do governo com relação às CPIs é o desvio da finalidade da apuração. "Existe o Regimento que fala no objeto determinado, se houver, o governo não é contra", alegou. "O governo é contra do que pode ser chamado de CPI do fim do mundo, que acaba em nada. Se houver fatos que preencham as exigências legais e regimentais, é outra coisa". Sobre a abertura de uma CPI do Apagão no Senado, Alencar disse que acha a iniciativa "natural". "Faz parte do Regimento. Nunca fui contra uma CPI". Sobre a demissão dos quatro funcionários da Infraero, o vice-presidente disse não saber o porquê da decisão, mas defendeu que, se há dúvida quanto ao comportamento de cada um deles, é preciso ir adiante na apuração, abrindo um inquérito rigoroso para apurar o que houve. "Não podemos aceitar o desvio de recursos públicos. Não estou dizendo que haja isso lá, porque eu não sei, mas é preciso que se investigue". Na sua opinião, os brasileiros, "estão escaldados com notícias dessa natureza (corrupção) e isso não pode continuar".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.