Alencar defende transparência na investigação da Satiagraha

Vice-presidente pede 'fim da impunidade', mas evita comentar desavenças entre delegados e autoridades da PF

Luciana Nunes Leal, da Agência Estado,

18 de julho de 2008 | 12h04

Um dia depois da controvérsia causada pela decisão do comando da Polícia Federal (PF) de divulgar trechos da reunião em que foi decidido o afastamento do delegado Protógenes Queiroz do comando da operação Satiagraha, o presidente da República em exercício, José Alencar, pediu transparência na investigação.  Veja também:Ouça trechos da reunião que decidiu a saída do delegado  Lula pede 'clareza' e PF divulgará diálogo da saída de delegadoApesar do apelo de Lula, Protógenes deixa caso Dantas na sextaJuiz aceita denúncia e Daniel Dantas vira réu por corrupção ativa PF anuncia Ricardo Saad como substituto de Protógenes Entenda como funcionava o esquema criminoso Veja as principais operações da PF desde 2003 As prisões de Daniel Dantas  Questionado se achava que a integra da reunião deveria ser divulgada, Alencar respondeu: "Tudo deve ser rigorosamente transparente. É claro que numa investigação pode haver um momento em que haja informação de exclusividade de quem está investigando. Mas a transparência é necessária, os brasileiros desejam acompanhar tudo isso", afirmou Alencar, na Base Aérea de Brasília, ao final de cerimônia do Comando da Aeronáutica.  Alencar disse que, como todos os brasileiros, deseja "o fim da impunidade", mas evitou comentar as desavenças entre os delegados que comandam o inquérito e as autoridades da Polícia Federal e do Ministério da Justiça. "A Polícia Federal tem todo o meu apoio, sempre recomendando que se observe os preceitos legais", afirmou Alencar.

Tudo o que sabemos sobre:
Operação SatiagrahaJosé Alencar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.