Alemão é preso acusado de contrabandear fósseis

O geólogo e paleontólogo alemão Michel Lothar Günther Schuwickert está preso na Superintendência da Polícia Federal, em Fortaleza, acusado de ser o maior contrabandista de fósseis da Chapada do Araripe, no Ceará. Ele foi detido na quinta-feira, quando tentava prorrogar o prazo de permanência no País.Michel Schuwickert responde processo na 2ª Vara Federal e, apesar da proibição, tinha saído do Brasil no mês passado. Ele estava com prisão preventiva decretada desde o dia 25 do mês passado, pelo juiz federal Augustino Lima Chaves.A primeira denúncia contra o geólogo surgiu em 2000, no Rio de Janeiro, quando foram apreendidas quatro toneladas de fósseis. De acordo com as investigações da PF, o alemão já agia há pelo menos sete anos. Ele comprava as peças dos agricultores para vender na Europa.Na quinta-feira, foram encontrados cinco mil fósseis no município de Santana do Cariri, a 598 quilômetros de Fortaleza. Segundo a PF ?há fortes indícios? de serem dele. De acordo com o superintendente interino da PF, Carlos Sérgio Bezerra Fontoura, o alemão responde a três processos por tráfico de fósseis, sendo dois no Ceará e um no Rio de Janeiro. Um quarto inquérito deverá ser instaurado a partir da apreensão feita na quinta.O alemão costumava vir ao Brasil passar temporadas de até dois meses. Arregimentava ´´peixeiros´´ (agricultores que trabalham na extração ilícita de fósseis) na Chapada do Araripe, comprava as peças e as remetia para a Europa através do Rio de Janeiro. Como não há legislação específica contra o contrabando de fósseis, disse Fontoura, o alemão poderá ser enquadrado no artigo 163 do Código Penal - ´´destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia´´. Isso porque fósseis são considerados patrimônio da União. A pena prevista é de seis meses a três anos de detenção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.