Aleluia: anulação do bloco PSDB e PTB

A disputa entre o PSDB e o PFL não terminou com os abraços trocados ontem pelo novo presidente da Câmara, deputado Aécio Neves (PSDB-MG), e o líder do PFL e seu principal adversário na disputa da presidência da Câmara, logo após a proclamação do resultado da votação. Faltando um minuto para se esgotar o prazo de comunicação de mudanças de partidos e formação de blocos parlamentares com vistas à aferição do tamanho das bancadas para distribuição dos cargos diretivos das comissões permanentes da Câmara, o PFL apresentou a formação de um bloco parlamentar, integrado, além dele, pelo PST, que totalizaria 105 deputados, quatro a mais do que a bancada do PSDB. No mesmo instante, porém, o PSDB comunicou a formação de um bloco dele com o PTB, totalizando 127 deputados. Com isso, o PSDB não perdeu o privilégio de indicar o presidente da principal comissão da Câmara, a de Constituição e Justiça. O vice-líder do PFL, deputado José Carlos Aleluia (BA), reagiu indignado à manobra da bancada tucana. Ele anunciou que vai levantar, hoje, uma questão de ordem no plenário da Câmara, pedindo a anulação entre o PSDB e o PTB, uma vez que este bloco foi desfeito na sessão legislativa do ano passado. Aleluia argumenta que apenas na próxima sessão legislativa, que se inicia amanhã, poderia haver a formação de um novo bloco. "Vou denunciar essa anarquia e entrar com recurso, e espero que o novo presidente tenha uma decisão coerente", afirmou Aleluia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.