Aldo Rebelo rebate críticas de FHC

O líder do governo na Câmara, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), rebateu as críticas feitas ontem pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, comparando FHC ao ex-presidente argentino Carlos Menem. "Ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso cabe, hoje, quem sabe, destino semelhante ao do ex-pesidente Carlos Menem, que é, num primeiro momento, torcer pelo fracasso do sucessor e, num segundo, receber a rejeição da sociedade pela situação em que deixou o País", afirmou o líder. Segundo ele, o ex-presidente, com as declarações feitas ontem, está traçando um caminho para disputar as próximas eleições e, segundo Rebelo, acabará nas mesmas circunstâncias de Menem, que abdicou da candidatura ao perceber que seria fragorosamente derrobado pelo atual presidente Néstor Kirchner, nas últimas eleições argentinas. O líder disse que, ao mesmo tempo em que Fernando Henrique exerce legítimo direito de expressar suas opiniões como um expoentee da oposição, deve ser cobrado por suas ações. Rebelo afirmou que, em oito anos de mandato, o ex-presidente, que havia encontrado o País com uma dívida de R$ 61 bilhões, deixou como herança um passivo de R$ 850 bilhões. Além disso, deixou o País fragilizado diante do mundo.Aldo Rebelo disse que Lula tinha, ao assumir o cargo, como desafio prioritário restaurar a confiança no País e que os juros altos praticados atualmente não são uma política permanente do governo, mas uma medida para manter o controle sobre a economia para criar condições de retomada do crescimento. "Se tivéssesmos encontrado uma situação mais favorável, talvez pudéssemos ter juros mais baixos", afirmou. Rebelo disse, no entanto, que o governo não se surpreendeu com as declarações do ex-presidente. "Para quem esperava que o governo fracassasse e que não conseguisse construir uma base parlamentar sólida, em algum momento esse tipo de desconforto daria lugar a declarações pouco equilibradas", observou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.