Aldo Rebelo atribui falta de quórum ao período pré-eleitoral

O presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), atribuiu a falta de quórum, desta segunda-feira e da última sexta-feira, às atividades normais dos deputados em suas bases em um ano eleitoral. Na semana passada, Aldo instituiu cotas de presença para os partidos nas segundas e nas sextas, quando não ocorrem votações, mas há contagem de prazos para os processos de cassação dos deputados acusados de envolvimento no mensalão. Ontem até ele faltou e não houve sessão.Compareceram 50 deputados quando são necessários 51. Ausente nas duas sessões, Aldo transferiu para os líderes o encargo de manter deputados na Casa nessas sessões. Desde o dia 20 de janeiro, o presidente da Câmara tem usado as sextas e segundas para viajar a Estados para tratar de projetos de desenvolvimento regional com Legislativos e os Executivos estaduais. Já esteve em Rondônia, Mato Grosso, Tocantins, Amazonas, Roraima, Amapá e Santa Catarina.O presidente da Câmara justificou a ausência de deputados em Brasília com o fato de que o País já vive época de campanha. Segundo ele, nas segundas e nas sextas os deputados vão para suas bases procurar seus cabos eleitorais, conversar com os vereadores e se encontrar com lideranças regionais.Quanto às cotas de presenças por partido, ele disse que não se tratou de uma proposta. "Foi um esforço para que os líderes mobilizassem suas bancadas como um exemplo de que não era necessária a presença de muita gente na Casa", observou. "Se cada partido mobilizasse poucos deputados para estar em Brasília, seria suficiente. Não foram estabelecidas cotas, o regimento da Câmara não permite fazer isso."Aldo disse que pretende fazer um esforço maior para obtenção de quórum nos dias de presença franca de parlamentares em Brasília. Ele justificou sua própria ausência da cidade dizendo que tem compromissos, como presidente da Câmara, fora da Casa. "Estou visitando Estados que estão à margem do processo decisório." O presidente da Câmara admitiu que se enganou quando suspeitou que partidos não estavam no plenário para adiar processos de cassação de parlamentares a eles filiados. "Pensei que poderia haver esse interesse, mas, depois que analisei a lista de presença, vi que partidos que estão com deputados respondendo a processos cumpriram a meta e deram quórum", disse. Na segunda-feira, o PP e o PFL, que têm deputados na mira de cassação, deram presença além da cota.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.