Iara Morselli/ESTADÃO
Iara Morselli/ESTADÃO

Aldo diz que não sabia da 'hipótese' de ser transferido para Ministério da Defesa

No redesenho da Esplanada, atual ministro da Ciência e Tecnologia é cotado para substituir Jaques Wagner

Vinicius Neder , O Estado de S. Paulo

30 de setembro de 2015 | 11h36

Rio – O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo, afirmou nesta quarta-feira, 30, que a reforma ministerial é uma atribuição da Presidência da República e que não sabia de hipótese de ser indicado para o Ministério da Defesa. Aldo informou que não foi comunicado sobre o destino de seu cargo por Dilma.

“Não é atribuição de ministro nem escolher nem discutir a reforma ministerial, a não ser quando convocado formalmente pela presidente da República”, afirmou Aldo, após participar da abertura do evento de lançamento do Índice Global de Inovação, na sede da Firjan, no Rio.

Questionado sobre a possibilidade de ser nomeado ministro da Defesa, conforme informações de bastidores que circulam em Brasília, Aldo disse que “nem conhecia que há essa hipótese em tela”. “Estou sabendo agora”, afirmou, ao ser perguntado pelo Broadcast.

Informações de bastidores também dão conta de que a presidente Dilma Rousseff poderia oferecer o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação ao PSB, como forma de atrair novamente o partido para a base do governo.

Aldo garantiu que não foi comunicado de nada em relação a seu cargo e que cumpre agenda no Rio e em São Paulo, nesta quarta-feira, como titular da pasta. Em seguida ao evento na Firjan, o ministro seguiria para uma reunião na Finep, agência de fomento à inovação vinculada ao ministério. 

Tudo o que sabemos sobre:
Aldo RebeloDefesareforma ministerial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.