Aldo defende votação da reforma tributária

O presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), defendeu nesta terça-feira a votação da reforma tributária e disse que o acordo para a aprovação da proposta de emenda constitucional (PEC) está quase pronto. Essa é uma antiga reivindicação dos governadores. A PEC está pronta para ser votada no plenário da Câmara, mas nunca houve um entendimento para aprová-la. De acordo com Aldo, a tramitação parou por causa da disputa entre Goiás e São Paulo, que discordavam do item que prevê a unificação da cobrança da alíquota do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Ele lembrou que a reforma tributária está em discussão desde o tempo do Império. "Nós nos aproximamos, no momento, de encerrar a guerra fiscal, que é uma guerra de todos contra todos", afirmou. O presidente da Câmara e candidato à reeleição evitou polemizar sobre o fato de o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), anunciado na segunda-feira, ter chegado ao Congresso Nacional por meio de medida provisória (MP). Na segunda, Aldo encaminhou aos parlamentares uma carta-compromisso, pregando mudanças na edição de MPs. Nesta terça-feira, em entrevista, ele disse que a edição das medidas "é uma tradição do Poder Executivo e cabe ao Congresso Nacional recuperar o seu espaço de poder".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.