Aldo critica posição de ONGs e SBPC sobre Código

O deputado federal Aldo Rebelo (PCdoB-SP), relator do novo Código Florestal, aprovado esta semana pela Câmara dos Deputados, criticou hoje as organizações não-governamentais (ONGs) internacionais, acusando-as de fazerem lobby em favor de um projeto "fabricado em gabinete" sem conhecer a realidade do País. "O lobby ambientalista, principalmente o internacional, não queria que os representantes do povo voltassem a legislar sobre o tema", disse, referindo-se diretamente ao Greenpeace e à WWF.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

26 de maio de 2011 | 17h03

Aldo participou hoje em São Paulo de um almoço-palestra no BIOSforum, evento que discute o desenvolvimento sustentável no País. A uma plateia de empresários, o deputado acusou também a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) de se omitir durante os dois anos de debate. "Alguns desses pesquisadores são pagos por essas entidades (ONGs), eu sei que são", emendou. Para o parlamentar, agora não é o momento de a SBPC afirmar "que a ciência não foi ouvida". "Nenhuma lei no Brasil foi mais discutida do que o Código Florestal".

No final de sua palestra, Aldo foi aplaudido de pé pelos empresários e ouviu um apelo da ex-vereadora Miriam Athiê para que se faça pressão no Senado Federal para a aprovação da íntegra do texto que passou pela Câmara.

Aos jornalistas, Aldo disse que o Congresso voltou a fazer o seu papel e rediscutir uma questão que não era debatida há cerca de 20 anos. "Legislar sobre matéria ambiental era monopólio de lobbies e de ONGs ambientalistas. Isso não está certo. As ONGs têm papel importante, mas não são legisladoras."

O deputado criticou ainda a repercussão internacional sobre o tema. "Países que fazem guerra, ocupam territórios, não preservam nada de sua vegetação nativa, vêm criticar o País que mais preservou no mundo? Vamos expulsar nossos agricultores do campo? Nossos agricultores não invadiram nenhum País, terras não foram tiradas de um país alheio", rebateu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.