Aldo confirma que tentará acordo com PMDB

O presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), confirmou nesta quarta-feira que vai consultar os partidos que apóiam sua candidatura à reeleição sobre a elaboração de um acordo com o PMDB para a troca de apoio para a presidência da Casa, nos mesmos moldes do documento assinado entre o partido e o PT. "Disse ao presidente Michel Temer que é possível a produção de um documento, mas que, no fundamental, pediria apoio à minha candidatura e reconheceria no PMDB, pelo seu protagonismo, o direito a presidir a Câmara daqui a dois anos", afirmou Rebelo, em entrevista na residência oficial.Ele e o outro candidato à presidência da Casa, o petista Arlindo Chinaglia, procuram o apoio da maior parte do PMDB, que é o maior partido da Câmara. Com esse acordo, aliados de Rebelo esperam conseguir mais votos da bancada peemedebista, que vai se reunir na próxima semana para definir a posição que tomará sobre a sucessão da Câmara.Outro ladoO presidente do PMDB, deputado Michel Temer, confirmou a informação de que Aldo poderá "eventualmente" propor um acordo com os peemedebistas, em troca de apoio. Segundo ele, durante o encontro desta quarta-feira "surgiu a idéia" de se propor ao PMDB que os partidos que apóiam a candidatura de Rebelo nos próximos dois anos, apóiem um peemedebista para a presidência da Casa nos dois anos seguintes."Ele (Rebelo) pode eventualmente fazer uma coisa dessas, dependendo dos partidos", afirmou Temer, acrescentando que a posição da bancada a respeito da sucessão na Câmara será decidida na próxima semana, na terça ou na quarta-feira. Na ocasião, segundo ele, serão debatidas três hipóteses - o apoio a Chinaglia, o apoio a Rebelo ou até mesmo uma candidatura própria.Temer, no entanto, ressaltou que a proposta feita pelo PT é "para valer" e que o presidente do partido, Ricardo Berzoini, que reassumiu o cargo nesta terça-feira, telefonou para ele referendando os termos da carta que foi originalmente assinada pelo então presidente em exercício do partido, Marco Aurélio Garcia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.