Álcool e sedentarismo: risco às classes mais altas

Entre os fatores de risco à saúde dos brasileiros, sedentarismo e consumo de bebidas alcoólicas prevalecem nas classes sociais mais altas, enquanto o tabagismo é mais freqüente entre as classes mais baixas. A conclusão é da Pesquisa Mundial de Saúde no Brasil, da Organização Mundial de Saúde (OMC).O hábito de fumar é mais freqüente entre homens, principalmente com mais de 35 anos de idade. A pesquisa revelou que para ambos os sexos, a proporção de fumantes é menor entre os mais jovens, o que pode indicar uma redução do tabagismo entre a população brasileira.Com relação ao hábito de bebida alcoólica, a predominância também é masculina. Enquanto 25% dos homens relataram ter tomado cinco doses ou mais de álcool na semana que antecedeu a entrevista, o percentual é de apenas 6% entre as mulheres. Diferente do tabagismo, não foram constatados sinais de redução do hábito de beber entre os mais jovens.A pesquisa também revelou que cerca de 11% da população não praticam nenhum tipo de atividade física. Dez por cento dos brasileiros são obesos e 28,5% estão acima do peso. Entre as pessoas com mais de 35 anos, a obesidade prevalece entre asmulheres.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.