Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Alcolumbre cobra fim de conflitos que 'não levam a lugar nenhum' no combate à pandemia

Nos últimos dias, Bolsonaro e alguns governadores têm trocado farpas publicamente sobre medidas administrativas adotadas para tentar conter a disseminação da Covid-19

Vinícius Valfré, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2020 | 20h55

BRASÍLIA - O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), divulgou um manifesto na noite deste domingo, 22, em que pede o fim da troca de acusações entre autoridades envolvidas nas ações de enfrentamento ao novo coronavírus e diz que os conflitos "não levam a lugar nenhum". O documento também é assinado por Antonio Anastasia (PSDB-MG), vice-presidente da Casa. 

Nos últimos dias, o presidente Jair Bolsonaro e alguns governadores, como os do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), e de São Paulo, João Doria (PSDB), têm trocado farpas publicamente sobre medidas administrativas adotadas para tentar conter a disseminação da Covid-19.

O episódio mais recente dos ruídos foi a publicação de Medida Provisória, deixando claro que cabe ao governo federal, com base em orientações técnicas das agências reguladoras, decidir sobre fechamento de rodovias e aeroportos.

A medida foi tomada após uma série de iniciativas de Rio e São Paulo para restringir a circulação de pessoas. Witzel havia decretado o fim o trânsito de ônibus e de carros de aplicativo entre a Região Metropolitana e o interior do Rio

Sem mencionar lideranças ou brigas específicas, Alcolumbre e Anastasia apelam por harmonia e integração em todas as esferas da federação. "É vital que haja plena harmonia e integração entre todos os poderes públicos, de todas as esferas da federação. As ações devem ser coordenadas e integradas, de forma a otimizar os seus resultados, conforme a melhor orientação dos especialistas", diz o manifesto dos senadores.

Ex-aliados de Bolsonaro e eleitos na onda bolsonarista, Doria e Witzel se afastaram do presidente e, mesmo antes da crise do novo coronavírus, têm buscado uma aproximação em busca de protagonismo para as eleições de 2022. Para Alcolumbre, o momento não é o de buscar capital eleitoral.

"Devemos superar conflitos e discussões inoportunas. Acusações e mal-entendidos têm ocorrido com frequência nos últimos dias entre autoridades e as quais não nos levam a lugar nenhum, especificamente quanto ao controle da pandemia. O povo brasileiro merece o melhor de todos nós. Com seriedade, equilíbrio, bom senso e, sobretudo, eficiência", frisa o manifesto.

No documento, chamado de manifesto da presidência do Senado à Unidade de Ação, os senadores alegam que a tentativa de mediar os conflitos se dá em razão do papel da Casa, o de buscar harmonia federativa. "O Senado aguarda o diálogo construtivo entre estes poderes para a realização desta tarefa grave e urgente".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.