Alckmin visita terra natal e enfrenta saia justa

O candidato ao Governo do Estado de São Paulo pelo PSDB, Geraldo Alckmin, esteve hoje em sua terra natal, Pindamonhangaba, no interior de São Paulo, antes de seguir para o debate dos presidenciáveis na TV Globo. Com uma carreata promovida por sua sobrinha Myriam Alckmin, candidata à Assembleia Legislativa de São Paulo pelo PPS, Alckmin foi recebido na praça central da cidade por centenas de militantes do PSDB local, que uma hora antes do encontro fizeram um apitaço em apoio ao candidato a deputado estadual Vito Ardito do PSDB (ex-prefeito da cidade), rival de sua sobrinha (vice-prefeita da atual administração).

GERSON MONTEIRO, Agência Estado

30 de setembro de 2010 | 20h18

Durante todo o tempo em que permaneceu na praça, Alckmin, sempre sorridente e demonstrando boa disposição na reta final do pleito, cumprimentou simpatizantes, posou para fotos, distribuiu autógrafos e acenos para moradores de prédios que acompanhavam a movimentação das sacadas, sempre acompanhado pela sobrinha, o rival dela e o candidato do PSDB ao Senado, Aloysio Nunes.

Provocado por um jornalista sobre qual candidato de Pindamonhangaba ele votaria, ficou sem graça e não respondeu. Provocado pela segunda vez com a mesma pergunta, respondeu que "é o povo quem escolhe". Sobre um possível segundo turno para o governo paulista, Alckmin disse acreditar na estabilidade das pesquisas. "Não vemos problema em ter um segundo turno, mas temos um tracking diário que não mostra essa tendência", afirmou.

Para a disputa à Presidência, comentou sua expectativa positiva para José Serra, "há um crescimento nas pesquisas do Serra e da Marina, temos a confiança de um segundo turno federal". Antes de falar com a imprensa, parou em uma padaria, enxugou o suor e tomou um café. Ao sacar a carteira para pagar, foi dispensado pela comerciante dona do estabelecimento.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2010governoSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.