Alckmin vai cobrar união e fim das brigas entre PSDB e PFL

O pré-candidato do PSDB à presidência da República, Geraldo Alckmin, desembarca em Brasília, amanhã, determinado a cobrar empenho e engajamento do seu partido e do PFL na sua campanha. Às 16 horas, Alckmin preside, na sede do PSDB, a primeira reunião do Conselho Político, formado pelos presidentes, líderes na Câmara no Senado e coordenadores da campanha conjunta dos dois partidos. Segundo parlamentares da coligação, Alckmin dirá aos participantes do encontro que não é hora de divergências nem atritos, e sim de unidade na coligação entre os dois partidos. O Conselho foi criado para organizar a campanha e superar divergências entre líderes dos dois partidos. O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), defenderá que as divergências regionais entre PSDB e PFL sejam postas de lado para que a coligação não perca mais tempo e jogue todas as fichas na campanha nacional. "Estamos todos neste fogo e uma eventual derrota será de todos nós, não só de Alckmin. Vamos pagar um preço alto por isso", advertiu. Na de avaliação Virgílio, é hora de parar com as brigas públicas e "direcionar todas as baterias para fora e fazer uma campanha que seja propositiva, mas atacando os pontos fracos do adversário". No caso dos palanques estaduais, Virgílio vai sugerir que sejam enfrentados com realismo. "Onde não der para fazer um só palanque, façamos dois", acrescentou. O próprio Virgílio é um exemplo de que as divergências vão continuar ao longo da campanha: ele é candidato do PSDB ao governo do Amazonas, e um de seus adversários será o pefelista Amazonino Mendes.Tucanos e pefelistas estavam, nesta segunda-feira, analisando quais propostas vão apresentar amanhã. O senador Álvaro Dias (PSDB-PR), líder da Minoria, vai sugerir que Alckmin tenha maior participação, nos Estados, em programas de televisão com maior alcance de audiência para popularizar sua candidatura. O líder do PFL, senador José Agripino (RN), vai defender que o pré-candidato se manifeste sobre assuntos nacionais, sobretudo os que comovem a opinião pública.Matéria alterada as 20h41

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.