Alckmin torce para não haver racha

O governador em exercício de São Paulo Geraldo Alckmin espera que não aconteça um racha entre a base aliada do governo depois da definição da presidência da Câmara e Senado nesta quarta-feira, que ficaram respectivamente com o deputado Aécio Neves (PSDB-MG) e o senador Jader Barbalho (PMDB-PA). "Acho que não haverá um racha, torço para que isso não ocorra e que se aceite democraticamente o resultado", afirmou ele. Ele também tem a expectativa de que o governo federal passe a usar as medidas provisórias (MP) de maneira mais criteriosa. Uma das críticas feitas ao presidente Fernando Henrique Cardoso é sobre a quantidade de MPs editadas em suas gestões. Em contrapartida, o governo afirma que usa o recurso porque os congressistas não votam os projetos. "Acredito que o governo deva procurar restringi-las aos usos indicados, e à Câmara compete votar os projetos", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.