Alckmin se diz contra adiar eleição na Câmara

O governador em exercício de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse hoje que as denúncias sobre os três deputados do PFL, que teriam recebido dinheiro para se filiarem ao PMDB, devem ser apuradas, mas que elas não são motivo para adiarem as eleições para a presidência da Câmara, marcadas para amanhã. Alckmin, que foi eleito duas vezes deputado federal, criticou postura do PFL, que estaria ameaçando romper com a base aliada do governo. "É totalmente descabido você colocar as coisas como olha, se votarem em mim, eu apoio o governo, se não votarem em mim, não apoio o governo", ressaltou ele."Espero que acabando a disputa, as coisas caminhem num bom ritmo, até porque no Brasil, infelizmente, quando a economia melhora, é a política que acaba atrapalhando um pouco", disse, adotando um discurso semelhante ao do candidato à Presidência da Câmara Aécio Neves, deputado federal e líder do PSDB na casa. Ambos citam o crescimento econômico como o principal motivo para se restabelecer o equilíbrio no Congresso e a manutenção da base aliada depois das eleições.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.