Alckmin: se depender do PSDB, aliança será com PSD

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), negou na tarde de hoje (18) que a aproximação do prefeito da capital paulista, Gilberto Kassab (PSD), com o PT afaste uma eventual aliança entre PSD e PSDB nas eleições municipais deste ano. O governador afirmou que, no que depender do PSDB, as duas legendas estarão juntas na disputa. "Se nós pudermos estar juntos, nós queremos", disse. "Nós queremos uma grande aliança para servir à cidade de São Paulo", acrescentou.

GUSTAVO URIBE, Agência Estado

18 de janeiro de 2012 | 17h40

No início do mês, em visita ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Hospital Sírio-Libanês, Kassab fez uma oferta ao petista para a composição de uma dobradinha PT-PSD na disputa pela sucessão municipal. Em reunião, na última semana, Lula sugeriu que um eventual acordo entre os dois partidos fosse discutido por lideranças do PT. Essa movimentação política causou desconfiança nos caciques tucanos, que interpretaram a aproximação como uma tentativa de pressionar o PSDB.

Kassab vislumbra a formação de uma chapa entre PSD e PSDB que seja encabeçada pelo vice-governador do Estado, Guilherme Afif Domingos, filiado ao PSD. Essa alternativa encontra resistência entre alguns aliados de Alckmin. O governador assinou na tarde de hoje autorização para investimento em cidades da Região Metropolitana de São Paulo, em solenidade no Palácio dos Bandeirantes.

Mais conteúdo sobre:
eleições 2012PSDBPSDAlckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.