Alckmin quer pedir US$ 200 milhões ao BID

O governador do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB), provável candidato à reeleição, embarcapara Washington à 0h30 da próxima terça-feira para trabalharpela continuidade financeira do governo. Ele vai ao BancoInteramericano de Desenvolvimento (BID) pedir empréstimos de umpouco mais de US$ 200 milhões. Se conseguir, a contrapartida doTesouro paulista será volumosa: US$ 419,5 milhões. Além dissoterá chegado ao limite de endividamento do Estado permitido peloacordo de refinanciamento da dívida com a União. Ou seja, nãopoderá mais contratar empréstimos. Os três projetos que serãoapresentados aos dirigentes do BID só farão parte do Orçamentode 2003, quando o novo governador já terá assumido.O secretário de Comunicação, Luiz Salgado Ribeiro, afirma queimaginar que o governador esteja já pensando em 2003 é ter uma"visão míope" das coisas. "Os programas e projetos têmduração muito maior que os mandatos", diz. "Metrô, por exemplo, tem de ser uma obra permanente em São Paulo."Estarão ao lado de Alckmin, nos Estados Unidos, os secretáriosde Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, da Fazenda,Fernando Dall´Acqua, de Cultura, Marcos Mendonça e o presidentedo Metrô, Miguel Kozma. Isso porque os projetos a seremapresentados estão vinculados a essas três pastas. Cadasecretário apresentará a sua proposta.Favelas - Os projetos que serão expostos na capital americanasão relevantes para São Paulo. Um deles é o prosseguimento daLinha 5 do Metrô. O primeiro trecho, que deve ser inaugurado nopróximo ano, liga o Largo Treze ao Capão Redondo. Na segundafase, para a qual será solicitada a verba ao BID, serãoconstruídas seis estações, que vão ligar o Largo Treze à estaçãoSanta Cruz. Estima-se que 500 mil passageiros por dia utilizarãotoda a extensão da linha. O BID participaria com US$ 175,5milhões.A Secretaria da Cultura apresentará a idéia de estender algunsdos projetos que já existem - oficinas culturais, Projeto Guri,Universidade Livre de Música, entre outros - para regiões de"alto risco social" na periferia da capital. As favelas queseriam beneficiadas são Pantanal, Elba, Alba e Morro da Macumba.Para esses projetos serão solicitados US$ 10 milhões.No caso da Secretaria da Fazenda, os US$ 15 milhões seriamutilizados para a 2.ª etapa do programa de modernização dosistema de administração tributária e financeira. Entre outrospontos, o projeto prevê a instalação de um mecanismo de controledas bombas de álcool nos postos e das máquinas produtoras derefrigerantes. O objetivo é diminuir ao mínimo possível asonegação fiscal.Alckmin também vai ao Banco Mundial (Bird) tratar de verbas paraa Linha 4 do Metrô, mas, neste caso, as negociações já estãoavançadas e a previsão já foi feita para o Orçamento de 2002.Nas contas do próximo ano aparecem ainda dois projetos comverbas do BID, que também estão na pauta da viagem: o programade recuperação e manutenção de rodovias estaduais e o projeto deerradicação de cortiços, que visa melhotar a qualidade demoradia e revitalizar o centro da capital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.