Alckmin quer faculdade na zona leste de SP em 2002

O governador de São Paulo Geraldo Alckmin anunciou hoje que deverá inaugurar a primeira faculdade pública da região da Zona Leste de São Paulo no início de 2002. "Estamos construindo uma Fatec (Faculdade de Tecnologia de São Paulo), as obras estão em andamento, e esperamos inaugurá-la já no ano que vem", disse, durante a assinatura de um convênio de alfabetização de jovens e adultos com o Conselho Comunitário de Educação, Cultura e Ação Social da Grande São Paulo feita em Ferraz de Vasconcelos, município da Região Metropolitana.A iniciativa da construção da faculdade foi do governador Mário Covas, que inicialmente planejava fazer um Centro de Detenção Provisória (CDP) no local. O governo está investindo R$ 7,9 milhões, sendo R$ 4,7 milhões para a obra física e R$ 3,2 milhões para compra de equipamentos.A faculdade terá 7 mil metros quadrados, 16 salas de aula, 10 laboratórios, biblioteca, auditório, sala de projeção, além das dependências convencionais. Ela deve atender 1.440 alunos, com 240 vagas abertas por semestre, além de 80 vagas para nível técnico. Os cursos a serem oferecidos são os de tecnologia de produção com ênfase em plásticos, informática voltado em gestão de negócios ou em logística, e cursos técnicos em informática, entre outros.O governador também assinou no evento em Ferraz de Vasconcelos a autorização para a construção de 400 unidades habitacionais da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) no Jardim Itajobi, entre os bairros Itaim Paulista, em São Paulo, e Ferraz. A obra será tocada em regime de mutirão. "Vamos terminar todas as unidades habitacionais da região que já começaram", afirmou. Aquelas que não puderem continuar as obras serão licitadas e finalizadas por empresas. Alckmin aproveitou a ocasião para entregar à cidade de Ferraz cerca de três toneladas de remédios, que serão distribuídos gratuitamente à população pelo Sistema Único de Saúde (SUS).Para o convênio estabelecido entre o governo e o Conselho Comunitário de Educação, Cultura e Ação Social da Grande São Paulo, uma organização não-governamental, será destinada uma verba de R$ 1,8 milhão. O convênio terá vigência de dois anos e irá alfabetizar 10 mil jovens e adultos, que serão atendidos em 400 núcleos distribuídos pelas cidades da região Leste da Grande São Paulo e por alguns bairros da Zona Leste da Capital.Também na área da educação, Alckmin destacou a compra, anunciada durante a semana, de 3 milhões de livros não didáticos para equipar as bibliotecas das escolas públicas. "Os alunos vão escolher quais livros querem ter na sua escola", contou. Para isso, o governo irá investir R$ 20 milhões. Outros R$ 50 milhões foram voltados para a criação de 50 mil vagas para jovens que terminaram o ensino médio e querem cursar o ensino técnico. "São 40 mil vagas na região metropolitana", comentou. Uma das escolas profissionalizantes está em construção no bairro de Guaianases, também na Zona Leste de São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.