Alckmin quer dar toque paulista ao Fome Zero em SP

O governador do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB), atendeu à convocação feita pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para alavancar o programa Fome Zero nos Estados. Porém, a resposta, com a criação do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea-SP), terá a "cara" de São Paulo. "Aqui é diferente do Norte e Nordeste, do ponto de vista do desenvolvimento econômico e das necessidades. Mas aqui também há muita pobreza e desigualdade, e nós temos de enfrentá-las e superá-las", diz a secretária de Assistência e Desenvolvimento Social do Estado, Maria Helena Guimarães de Castro.No fim de janeiro, ao instalar o Conselho Nacional de Segurança Alimentar (Consea), Lula disse que a criação de órgãos semelhantes nos Estados e municípios ajudaria a implementar o Fome Zero em todo o País. O Consea-SP foi criado por decreto assinado na sexta-feira pelo governador e deve ser efetivamente instalado até o início do mês que vem.Ação integradaUm dos objetivos do conselho, segundo Maria Helena, será justamente fazer a articulação com o órgão nacional, tanto na discussão local de deliberações tomadas em Brasília, como para servir de ponte para as demandas do Estado chegarem à esfera federal.O foco dos trabalhos do Consea-SP serão as 850 mil famílias do Estado com renda igual ou inferior a um salário mínimo. De acordo com a secretária, cada família corresponde, em média, a 4 5 pessoas. "O Objetivo do Consea-SP, e do Fome Zero, é combater a pobreza. Nós queremos trabalhar juntos, não adianta cada um atirar para um lado", disse.O órgão será formado por 45 conselheiros, sendo 15 do governo do Estado e outros 30 da sociedade civil, entre sindicalistas, empresários, religiosos e representantes de ONGs e movimentos sociais. A própria Maria Helena vai presidir o órgão.

Agencia Estado,

13 de abril de 2003 | 18h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.