Alckmin promete rigor contra envovlidos no Caso Alstom

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, comentou nesta quarta-feira, 16, as denúncias de que um ex-diretor da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) teria recebido 800 mil euros em propina no caso Alstom. "Seja funcionário ou ex-funcionário, haverá tolerância zero", disse o governador.

CARLA ARAÚJO, Agência Estado

16 de outubro de 2013 | 12h49

Segundo Alckmin, o ex-funcionário em questão, já havia sido chamado pela Procuradoria Geral do Estado há cerca de dois meses, mas não compareceu. "Agora, a Procuradoria Geral do Estado vai entrar junto no processo com o Ministério Público para acompanhar essa questão. Segundo o governador, o funcionário não trabalha no governo desde 2003.

Tudo o que sabemos sobre:
AlckminCaso Alstom

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.