Alckmin promete 'acupuntura urbana' e Metrô na Vila Prudente

Se eleito, o candidato do PSDB contribuirá para a extensão da Linha 2-Verde do Metrô até a região

Carolina Freitas, da Agência Estado,

18 de agosto de 2008 | 19h51

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), prometeu hoje (18) aos moradores de Vila Prudente, na zona Leste, que, se eleito, contribuirá para a extensão da Linha 2-Verde do Metrô até a região. "Vamos ajudar o governo (do Estado, do também tucano José Serra) a trazer o Metrô até o Oratório", prometeu a boa parte dos eleitores que o cumprimentavam. Alckmin assegurou ainda que investirá na conclusão do corredor de ônibus Expresso Tiradentes, que ligará o Centro a Cidade Tiradentes, na zona Leste. Essas são duas das principais bandeiras do adversário (ex-aliado) Gilberto Kassab (DEM). Ao ser questionado sobre o que faria para combater as enchentes nas proximidades da Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, Alckmin propôs uma "acupuntura urbana", a exemplo do que fez ao rebaixar a calha do Rio Tietê. "O Tietê era uma das questões que se julgava insolúvel, mas fizemos uma obra definitiva", afirmou. "Essa acupuntura urbana que fizemos no Tietê, vamos fazer nos demais rios." Apesar de ter revelado no domingo, 17, que Serra gravou uma participação para seu programa eleitoral, Alckmin evitou comentar o conteúdo do vídeo. "Serra está na campanha e na fita", disse. "E a fita ficou ótima". Questionado se os vereadores do partido também participariam do seu programa, despistou: "Estão gravando." Alckmin caminhou durante uma hora pela Avenida São Lucas, região de comércio do bairro, acompanhado por dezenas de cabos eleitorais e duas Kombis com alto-falantes. O candidato a vereador pelo PSDB Jorge Farid contribui com o barulho. Com um alto falante em punho chamava: "Venha conhecer pessoalmente o Geraldo. Enquanto a galinha bota ovo, o Geraldo está do lado do povo." O atraso de uma hora de Alckmin, no entanto, incomodou Farid, que chegou com uma hora de antecedência para "preparar o pessoal para receber Alckmin". Minutos antes do ex-governador chegar, do alto de uma caminhonete e com um boné com um tucano de pelúcia na cabeça, Farid brincou: "Só quem pode atrasar é João Gilberto (cantor). O Alckmin não." Ao saber do comentário, Alckmin rebateu: "A campanha vai muito bem." A primeira pessoa que Alckmin cumprimentou ao chegar ao bairro foi a petista Cristina de Almeida, de 54 anos. Com chapéu e camiseta cobertos por adesivos da candidata do PT à Prefeitura, Marta Suplicy, Cristina abraçou Alckmin e lhe desejou boa sorte. "Desejei boa sorte a ele, mas sou Marta", explicou Cristina à reportagem. "Respeito e união são as palavras mágicas". Questionado sobre o curioso incentivo que recebeu, Alckmin disse não ter percebido que a eleitora era do PT. "Nem sabia. Ela foi muito carinhosa". Virada Mesmo depois de ter perdido cinco pontos na pesquisa do Ibope de intenção de votos, Alckmin disse que está confiante de que o quadro vai se reverter. "Vamos crescer muito ainda", afirmou. "A gente sente isso nas ruas." O candidato prometeu ainda insistir na linha "propositiva". "Não farei ataque nenhum."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.