Alckmin promete 10 mil guardas civis e 18 mil câmeras

Secretaria Municipal de Segurançaserviria para coordenar as ações da Guarda Civil Metropolitana

CAROLINA FREITAS, Agencia Estado

04 de agosto de 2008 | 18h34

O candidato da coligação "São Paulo, na Melhor Direção" (PSDB-PTB-PHS-PSL-PSDC) à Prefeitura da capital paulista,  Geraldo Alckmin , recebeu nesta segunda-feira, 4,  de sua equipe de campanha propostas da Segurança Pública para seu plano de governo. A maioria das idéias foi aceita no ato, como a criação de uma Secretaria Municipal de Segurança Urbana e Cidadã, a contratação de guardas civis metropolitanos e a instalação de 18 mil câmeras de vigilância. "Quero ser o prefeito da vida, da segurança urbana e cidadã", afirmou. "Tudo o que acontece na cidade é responsabilidade do governo municipal. A Prefeitura precisa romper o ciclo indutor do crime."   Veja Também:   Conheça os candidatos nas principais capitais  Calendário eleitoral das eleições deste ano  Especial tira dúvidas do eleitor   Veja as regras para as eleições municipais A Secretaria Municipal de Segurança, explicou Alckmin, serviria para coordenar as ações da Guarda Civil Metropolitana (GCM), para integrar os sistemas de informações e imagens de vigilância da cidade e para promover ações em conjunto com outras secretarias, como planejar a iluminação e a revitalização de áreas com maior ocorrência de delitos. Sobre a sugestão de vigiar a cidade com 18 mil câmeras, Alckmin disse: "Não sei a lógica desse número cabalístico, mas isso vai ajudar barbaridade".Saulo de Castro Abreu Filho, que foi secretário estadual da Segurança Pública de São Paulo da gestão Alckmin, comandou a mesa do seminário e o procurador Carlos Henrique Mund, um dos coordenadores da equipe, apresentou uma compilação das sugestões. O evento aconteceu no comitê central de campanha do candidato, no centro da capital paulista. Trabalham ainda no plano para segurança do tucano o desembargador José Roberto Nalini, o presidente do Instituto São Paulo Contra a Violência, Eduardo Capobianco, e o técnico em segurança Marcelo de Almeida. O deputado estadual do PTB Conte Lopes, ex-integrante das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), que estava na platéia, foi convidado por Alckmin a falar. "A população tem que ter na Guarda um apoio para sua segurança", disse Conte Lopes. "A guerra é uma só: contra o bandido."CampanhaO candidato do PP, Paulo Maluf, foi de manhã a um evento com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, na Fundação Getúlio Vargas (FGV), região central. A candidata do PPS, Soninha Francine, concedeu entrevistas e no final da tarde fez uma caminhada no centro da cidade.Ivan Valente, candidato da coligação "Alternativa de Esquerda para São Paulo" (PSOL-PSTU), fez panfletagem simultânea em 50 pontos da cidade com a ajuda de candidatos a vereador e militantes. Ele esteve na saída do metrô Consolação, na região central. Em seguida, concedeu entrevista a uma rádio e fez campanha no centro.Levy Fidelix (PRTB) trabalhou na produção de seu programa de televisão para o horário eleitoral e jantará com militantes da legenda. Edmilson Costa (PCB) fez panfletagem no Largo de São Bento, também no centro da capital paulista. Ciro Moura (PTC) e Renato Reichmann (PMN) cumpriram agendas internas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.