Alckmin pretende manter candidatura a prefeito de SP

Ex-governador diz que não vai mudar 'um milímetro' de sua estratégia após declarações de FHC

AE, Agencia Estado

14 Janeiro 2008 | 09h02

O ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) não vai mudar um milímetro de sua estratégia por causa das afirmações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso segundo as quais ?seria ótimo? manter a aliança PSDB-DEM em São Paulo, com a candidatura do prefeito Gilberto Kassab (DEM) à reeleição. Embora Alckmin tenha evitado manifestar em público a discordância, sua disposição é de levar adiante a candidatura. ?Há um sentimento majoritário, dentro do partido, segundo o qual ele deve ter candidato próprio em todas as capitais, especialmente em São Paulo?, afirmou o deputado Silvio Torres (PSDB-SP), ligado ao governador. ?Nesse caso, a opinião do ex-presidente conflita com a dessa maioria.?Para o líder do PSDB na Câmara, Antonio Carlos Pannunzio, ?existe uma lógica? na proposta de Fernando Henrique, ?mas só funciona se Alckmin compartilhar desse posicionamento, com um PSDB unido?. Na entrevista, Fernando Henrique afirmou que ?seria ótimo? que a aliança de Kassab com o PSDB ?se mantivesse agora, nas eleições municipais, e que o Geraldo pudesse disputar o governo estadual, o que liberaria o Serra para disputar a Presidência?.Kassab ficou feliz com a estratégia sugerida por FHC, mas reagiu com cautela. Disse que ?é natural? a sua candidatura à reeleição, ?mas é muito importante, também, que se mantenha a aliança? entre DEM e PSDB na disputa pela Prefeitura paulistana. ?Não irá prevalecer nenhum projeto pessoal?, advertiu o prefeito. Insistindo na importância de manter ?uma aliança que é benéfica para a cidade?, Kassab afirmou ainda que FHC pensa como ele ?que o futuro da cidade de São Paulo deve ser definido pela manutenção dessa aliança?. E acrescentou: ?O que for definido pelos líderes partidários será o meu caminho.? As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
repercussão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.