Alckmin pressiona para que sua candidatura saia até dia 5

Anúncio de Kassab apressou planos do tucano; PSDB paulistano diz que vai manter calendário

Ricardo Brandt, O Estadao de S.Paulo

25 de abril de 2008 | 00h00

O ex-governador Geraldo Alckmin reuniu-se ontem com o presidente do Diretório Municipal do PSDB, José Henrique Lobo, para cobrar que sua pré-candidatura seja formalizada até 5 de maio. O encontro ocorreu após o prefeito Gilberto Kassab (DEM) falar abertamente, pela primeira vez, em sua pré-candidatura e em uma tentativa de acordo para Alckmin concorrer como governador em 2010.O presidente do PSDB confirmou o encontro, mas negou que tivesse recebido qualquer ultimato. ''Tenho sofrido muita pressão por parte dos deputados federais que apóiam Alckmin, mas vou seguir o calendário que estava definido de deixar essa posição para maio, após um terceiro encontro entre eles (Alckmin e Kassab)'', afirmou Lobo. Ele disse que não comentaria o teor da conversa.O vice-presidente do diretório, deputado Júlio Semeghini, disse que a definição sobre a pré-candidatura de Alckmin deve sair ''imediatamente''. ''Com a formalização da pré-candidatura de Kassab, o PSDB precisa ter sua posição agora, não há mais o que esperar'', afirmou Semeghini, aliado do ex-governador.Ele ressaltou que 5 maio é a data-limite. ''Mas pode ser que já na próxima semana tomemos uma posição.''PMDB e DEMA decisão do prefeito de formalizar sua pré-candidatura não foi surpresa para os aliados de Alckmin. No início da semana Kassab e o ex-governador estiveram juntos, segundo um dos deputados da base alckmista. De acordo com esse parlamentar, o prefeito já havia deixado claro seu plano.O acordo entre o PMDB e o DEM, formalizado ontem, também não mudará os planos dos aliados de Alckmin.O deputado Duarte Nogueira (PSDB-SP), que compõe a tropa de choque alckmista, afirmou que a decisão de Kassab ''contribui pouco para a possibilidade de manutenção da aliança entre DEM e PSDB''.''O prejuízo mais significativo desse acordo com o PMDB foi para o PT, não para nós. Nós ainda temos esperança de uma aliança com o DEM, mas com um candidato nosso encabeçando a chapa'', disse Nogueira.Essa recomposição entre DEM e PSDB na capital paulista, no entanto, é dada como improvável. Para os aliados de Alckmin, a semana só confirmou algo que já estava se consolidando: que Kassab e o ex-governador se enfrentariam no primeiro turno.Ontem, Alckmin acabou adiando uma reunião marcada em seu escritório com os vereadores do PSDB. O líder da bancada na Assembléia, Gilberto Natalini, disse que o encontro foi desmarcado por ''incompatibilidade de agenda'' e negou que tivesse relação com o anúncio de Kassab e do apoio do PMDB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.