Alckmin prepara reforma para o começo de 2002

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin(PSDB), admitiu hoje que está preparando uma reformaadministrativa para o início de 2002, que poderá mudar o comandode até sete secretarias estaduais. Os secretários RicardoTrípoli (Meio Ambiente), João Caramez (Casa Civil) e MarcosMendonça (Cultura) e Walter Barelli (Trabalho) deixarão suassecretarias para disputar a eleição. "Os que já são deputadoscertamente serão candadidatos, mas acho que nós poderemos ter deseis a sete secretários que vão disputar a eleição", afirmouAlckmin. A data da mudança ainda não foi definida já que ogovernador considera que a saída das secretarias caberá a cadasecretário, mas indica que a data limite é abril. "Quem quiserser candidatar precisa se afastar seis meses antes em 4 deabril."Barelli, que deve disputar a vaga de deputado federal, confirma que pretende deixar pasta do Emprego e Trabalho somenteem abril. "Temos muito o que trabalhar e devemos sair somenteem abril. Depois disso terei dois meses como pré-candidato até aconvenção do PSDB em junho", explicou. Tripoli, Mendoça eCaramez vão concorrer à reeleição para a Assembléia Legislativa. Substitutos - Alckmin deverá escolher os substitutos na época da saída dos queocupam os cargos hoje. O secretário de Economia ePlanejamento,André Franco Montoro Filho, e da Agricultura, João Carlos deSouza Meirelles, devem também disputar uma vaga para a bancadafederal. Nos bastidores do governo acredita-se que o secretárioda Segurança Pública, Marco Vinício Petrelluzzi, também venha adisputar a eleição. O governador reuniu-se hoje no Palácio dosBandeirantes com representantes da comunidade islâmica de SãoPaulo para estreitar laços culturais e comerciais entre osdescendentes islâmicos e o governo. O governo deverá participarde uma mostra cultural da comunidade no interior paulsita e nacapital no ano que vem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.