Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Alckmin por W.O.

Sem Doria, sem Huck e com o PSDB na mão, Alckmin vai se tornando a opção de centro

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

28 Novembro 2017 | 03h00

O governador Geraldo Alckmin ganhou dois presentes ontem para a sua corrida para a Presidência da República. Primeiro, Luciano Huck fingiu que ia, mas não foi. Depois, os tucanos Tasso Jereissati e Marconi Perillo abriram mão da presidência do PSDB para ele. Sem João Doria, sem Huck e com o partido na mão, o caminho de Alckmin para 2018 fica bem mais fácil.

Agora, falta combinar com outro tipo de adversário: os eleitores. Alckmin tem deixado clara desde o início a intenção de concorrer e tem trunfos nada desprezíveis: o recall de 2006, o governo do principal Estado, o fato de São Paulo ter sobrevivido à crise um tanto melhor do que os outros e uma preferência no PSDB que Doria nunca chegou a de fato ameaçar. Mas, apesar de todas essas vitrines, ele não deslancha nas pesquisas. Equivale a dizer que não convence?

Afoito, audacioso, Doria chegou a ultrapassar os índices de Alckmin ao se apresentar como “o novo” e sair viajando pelo País, mas foi com muita sede ao pote. Acabou perdendo fôlego e ressaltando qualidades do governador e padrinho, como a prudência.

Como mostrou claramente a pesquisa Barômetro Político Estadão-Ipsos, Doria murchou, mas a ansiedade da sociedade pelo “novo” continuou e Huck ocupou o espaço. Não se tratava de pesquisa de intenção de votos, mas de aprovação e desaprovação, e Huck disparou depois de dar claros sinais de ter sido mordido pela mosca azul. Suas conversas políticas, sua opção pelo PPS, sua adesão a movimentos como o Agora! e o RenovaBR, tudo isso animou não apenas agentes políticos, mas a opinião pública.

Nessa fase, valiam o “se colar, colou” e o “falem mal, mas falem de mim”. Muitos falaram mal e Huck não resistiu à pressão – ou à tensão. Quando escrevi que sua eventual candidatura estava deixando de ser brincadeira e virando coisa séria, não negou, mas ressalvou que “não estava na hora de assoprar a brasa”. E quando o PPS parecia criar um fato consumado, avisou: “De fato, tenho me mexido para entender o tamanho da encrenca, mas daí a mudar os rumos da minha vida vai uma boa distância”.

Ao saber da pesquisa Estadão-Ipsos, Huck deixou uma fresta: “Tenho responsabilidade, não vou ficar impassível diante do retrocesso, dos dois extremos (Lula e Bolsonaro)”. Mas, no mesmo dia, começou a redigir o artigo que acabou divulgando ontem e que termina com uma outra disposição de luta: “Contem comigo, mas não como candidato a presidente”.

Pesaram na decisão o fator família, o fator salário e o fator zona de conforto. Celebridades são retratadas pela mídia alegres e felizes. Políticos têm suas vidas devassadas. Convenhamos, não é, ou não seria, uma troca atrativa.

É assim que o roteiro da eleição de 1989 vai se reproduzindo na de 2018. Uma foi a primeira eleição direta após um longo e tenebroso inverno. Deu em Collor. A outra está refletindo a descrença com a política tradicional e a busca por novas formas e novos nomes. Mas o risco é dar justamente numa das principais estrelas da Lava Jato ou num novo aventureiro.

Listam-se Marina e Ciro, ora Joaquim Barbosa, ora Doria, ora Huck, mas, assim como em 1989, as pesquisas vão cristalizando Lula, uma candidatura incerta e não sabida, e Bolsonaro, que enfrenta fortes e mais do que compreensíveis resistências. Alckmin pode não ser um salvador da Pátria, mas vai se consolidando menos pelas qualidades, mais pelos defeitos e ameaças dos rivais.

Outra visão. Sem querer responder à ministra Cármen Lúcia, mas já respondendo, o ex-presidente do STF Carlos Ayres Britto tomou partido contra a decisão das medidas cautelares para parlamentares: “A separação entre os Poderes precede a harmonia, que é justamente resultado da separação”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.