Alckmin pede reforma tributária urgente

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), voltou a defender a "urgência" da reforma tributária, salientando que o Estado de São Paulo já fez sua "lição de casa". Segundo Alckmin, em São Paulo já foi retirada a cobrança do ICMS do produtor rural, pessoa física, na compra de máquinas e implementos agrícolas. "Isso é um deferimento entre 12% a 17% sobre o valor do produto". Alckmin defendeu ainda a retirada do IPI (Imposto sobre Produto Industrializado) que incide sobre a produção, para "melhorar a competitividade do produto brasileiro no mercado internacional". "A reforma tributária é necessária para substituir impostos em cascata, simplificar a cobrança e evitar a guerra fiscal. Tudo isso para que, de uma maneira geral, haja o combate a sonegação", disse.Queima de canaGeraldo Alckmin disse ainda que a Assembléia Legislativa deve votar, na próxima semana, a nova legislação que regulamenta a queima da cana no Estado de São Paulo, e prevê sua total eliminação até 2020. Ele disse que o atraso na votação - a medida está sendo discutida com o setor desde junho do ano passado - se deve aos "acertos que vêm sendo feitos na elaboração da lei". "Existem pontos de conflito que estão sendo solucionados para obter satisfação tanto nos aspectos ambientais quanto os dos produtores de cana que estão localizados em áreas com alta declividade e que, por isso, não têm condições de promover a mecanização do canavial", explicou. Ainda segundo Alckmin, enquanto a nova legislação não é votada, continua valendo a já existente e regulamentada, para servir de base às autorizações que estão sendo dadas para produtores promoverem a queima da cana controlada no Estado. A visita do governador à feira agrícola Agrishow durou cerca de uma hora. Além do estande da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado e do IAC (Instituto de Agricultura de Campinas), Alckmin também visitou os estandes das fábricas Jacto, Tatu Marchezan, Jumil e Valtra Valmet. Durante toda a visita ele foi acompanhado pelo secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, João Carlos de Souza Meirelles, e do presidente da Associação Brasileira de Agribusiness (Abag), Roberto Rodrigues.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.