Alckmin pede que Aécio assuma a presidência do PSDB

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, pediu nesta segunda-feira que o senador mineiro Aécio Neves assuma a presidência nacional do PSDB e percorra o País para ouvir o que povo brasileiro tem a dizer. "Que você, Aécio, assuma a presidência do PSDB, percorra o Brasil, ouça o povo brasileiro, fale ao povo brasileiro e una o partido", disse o governador, num rápido pronunciamento, antes do início do Congresso do PSDB, que está sendo realizado na noite de hoje, na capital paulista.

GUSTAVO PORTO, Agência Estado

25 de março de 2013 | 20h08

Aécio Neves, também presente ao congresso tucano, evitou falar em sucessão, tanto do seu partido quanto a da presidente Dilma Rousseff. Contudo, cobrou ação imediata de sua legenda: "O PSDB não tem sequer o direito de se negar a apresentar uma alternativa a esse modelo que está aí, pois temos um quadro extraordinário. Mas não é hora de anteciparmos o processo eleitoral, pois quem fez isso foi o governo."

Nas críticas que fez à administração petista, o senador mineiro argumentou que o atual aparelhamento da máquina pública será substituído pela meritocracia e pela eficiência. Aécio elogiou ainda as lideranças do PSDB paulista, num afago aos setores que divergem de sua eventual candidatura à Presidência da República, invocando nomes históricos da sigla, como Mário Covas, Franco Montoro e o próprio José Serra, que está em viagem ao exterior e não compareceu ao congresso de seu partido. Para o senador mineiro, o PSDB já está aquecendo os motores e se preparando para mostrar que o Brasil "pode ter um governo com melhores resultados".

Já o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, também presente ao evento, fez um apelo, em rápido pronunciamento, para que o PSDB marche junto e se apresente ao País com "força e vigor" para o eleitorado. Indagado se a candidatura Aécio estava consolidada, ele disse que sim. Sobre as eventuais pretensões eleitorais do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), disse apenas: "É sempre bom ter um nome novo que tenha o que falar para o País."

Mais conteúdo sobre:
CongressoPSDBAécioAlckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.