Alckmin oferece Secretaria do Trabalho ao PDT e desloca PPS para Gestão

Governador negocia apoio do PDT ao PSDB nas eleições municipais

Gustavo Uribe, da Agência Estado

14 de fevereiro de 2012 | 18h48

Após meses de negociações, interrompidas com a crise deflagrada no Ministério do Trabalho que culminou na saída do ex-ministro Carlos Lupi (PDT) em dezembro, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, fechou acordo na semana passada para que o PDT passe a integrar sua administração. Alckmin ofereceu à sigla, que tem dialogado com o PSDB em torno de uma aliança para a sucessão à Prefeitura de São Paulo, a Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho, atualmente sob o comando do PPS. A entrada da sigla na administração estadual, que deve ser anunciada nos próximos dias, dá continuidade à minirreforma do secretariado, programada para o segundo ano de mandato de Alckmin.

 

O comando estadual pedetista ainda não definiu quem substituirá o atual secretário, o vice-presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Davi Zaia, que deve ser deslocado para a Secretaria de Gestão Pública. O atual secretário deverá discutir os detalhes da transição amanhã, em reunião à noite com o governador de São Paulo, no Palácio dos Bandeirantes. O comando estadual do PDT discute os nomes do primeiro-secretário da Força Sindical, Sérgio Leite, e do deputado federal João Dado (PDT-SP) para assumir a Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho.

 

O cenário inicial era de que o PDT assumisse a Secretaria de Gestão Pública, à frente da qual está, desde novembro, a ex-secretária adjunta Cibele Franzese. Ante a pressão da sigla, que almejava uma pasta ligada às entidades sindicais, o governador de São Paulo ofereceu ao PDT a Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho. Além das negociações para a eleição deste ano, a entrada do PDT no governo estadual passaria também por um acordo para 2014, quando Alckmin disputará a reeleição ao Bandeirantes.

 

Na mudança de secretários, o governador de São Paulo deve desidratar a Secretaria de Gestão Pública, deslocando para outras pastas empresas e autarquias, como Detran e Prodesp.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.