Andre Lessa/AE
Andre Lessa/AE

Alckmin nega racha no PSDB-SP e diz que Serra quer prévias para 2012

Ex-governador teria dito que seu partido não tem nome forte para disputar a Prefeitura de SP e defendido apoio ao vice-governador, Afif Domingos, do PSD

Gustavo Uribe, da Agência Estado

23 de novembro de 2011 | 18h12

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, negou na manhã desta quarta-feira, 23, que haja uma divisão interna no PSDB em torno da sucessão do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD). O tucano defendeu a realização de uma disputa por prévias para a escolha do candidato da sigla para a corrida municipal e afirmou que o ex-governador de São Paulo José Serra é favorável a uma eleição interna. "O Serra não está contra, ele é também defensor das prévias", afirmou. O governador de São Paulo considerou natural que a sigla queira ter uma candidatura própria na capital paulista e discordou da avaliação de que o partido pode lançar para a disputa municipal um nome que não seja viável eleitoralmente.

"O nome do PSDB será forte, para isso existe campanha", afirmou. "É natural que o PSDB queira ter um candidato para prefeito de São Paulo, pelo tamanho do partido, pela força do partido", destacou. O tucano ponderou, contudo, que o partido não deve "excluir nada". "Agora, é hora de amadurecer internamente o debate", ressaltou. O governador de São Paulo avaliou que a escolha de um nome tucano não exclui a formação de um leque de alianças para a disputa municipal, inclusive com a participação do PSD. "Isso não exclui a formação de alianças, pelo contrário", afirmou. "Então, defendo, sim, as prévias e que, ao mesmo tempo, se vá conversando", acrescentou. O tucano participou nesta quarta-feira de entrega do Prêmio Disque Denúncia 2011 a delegacias da Polícia Civil e batalhões da Polícia Militar de São Paulo.

Sem candidato. O ex-governador José Serra teria considerado nos últimos dias, em conversa com uma liderança tucana, que o PSDB não tem atualmente um nome viável eleitoralmente para a disputa à Prefeitura de São Paulo e teria defendido que a sigla apoie uma eventual candidatura do atual vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos, pelo PSD. A avaliação é compartilhada por aliados do ex-governador, os quais defendem que apenas uma aliança entre PSDB e PSD poderá evitar uma vitória do PT na sucessão da Prefeitura de São Paulo. As lideranças tucanas já trabalham com a possibilidade da sigla não ir para o segundo turno na disputa municipal.

O governador de São Paulo, que havia se mostrado favorável a uma aliança entre PSDB e PSD, tem defendido que a disputa por prévias seja postergada de janeiro para março de 2012, mudança que daria uma maior margem de manobra aos tucanos. Os atuais pré-candidatos do PSDB são os secretários Andrea Matarazzo (Cultura), Bruno Covas (Meio Ambiente) e José Aníbal (Energia), além do deputado federal Ricardo Tripoli.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012PSDBSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.