Alckmin não violará LRF para dar aumento

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afastou hoje a possibilidade de conceder um porcentual de aumento de salário aos policias civis e militares que ultrapasse os limites impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). "São Paulo não vai, de maneira alguma, ultrapassar os limites da LRF, que estabelece que só é possível gastar 50,7% este ano com pessoal e 49% no ano que vem", afirmou. Segundo Alckmin, a reposição de 41,04% pleiteada pela categoria corresponde a cerca de R$ 410 milhões e alcança, praticamente, o nível máximo determinado pela lei.Para o governador, a solução é buscar outras alternativas para compensar o reajuste. "Notei que há muitos policiais com problemas de moradia. Nós temos uma programa habitacional através da CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano) e podemos conversar sobre isso", sugeriu. Apesar dos desgastes nas negociações, Alckmin insistiu que os policiais continuem dialogando diretamente com o secretário de Segurança Pública, Marco Vinício Petreluzzi. "Eles podem falar comigo, mas eu acho bom conversar com o Petreluzzi, porque aí eles vão ganhando tempo", disse.Ainda sobre a questão de segurança no Estado, o governador reiterou as duas possibilidades existentes para bloquear o uso de telefones celulares dentro das penitenciárias. "Nas prisões mais distantes, a idéia é modificar a localização do sistema de antenas e fazer uma zona de sombra. Já nas penitenciárias localizadas em áreas densamente povoadas, a solução é criar aparelhos, que já estão sendo testados, para embaralhar os sinais e impedir que, mesmo que um bandido entre com um celular, o aparelho não funcione". Alckmin disse ainda que o problema da superlotação dos distritos policiais e cadeias públicas será diminuído com a construção de 12 novos centros de detenção provisória até o ano que vem. "Cada um deve abrir 768 vagas. Então, em poucos meses, teremos 4400 novas vagas".EnergiaO governador comentou também a declaração da prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT-SP), que culpou a Eletropaulo pelo não desligamento de um número estabelecido de postes de luz, impedindo que a capital atingisse a meta de economia de energia. "Eu não tenho detalhes sobre essa questão, mas São Paulo tem a Comissão de Serviços Públicos de Energia (CSPE) e vamos solicitar que os técnicos vejam se isso procede", afirmou.PMDBSobre o recente afastamento do presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB), Alckmin discordou que o episódio possa estreitar as relações do PMDB com os tucanos e facilitar o lançamento de um candidato em comum para a sucessão presidencial. "O PMDB é que tem que tomar a decisão. Se tiver um candidato próprio, vai marchar com um candidato próprio. Se não, vai partir para a aliança. Mas a escolha é só para o ano que vem. E discutir isso um ano e meio antes das eleições é ruim para o governo e para o Brasil".As declarações do governador foram dadas após cerimônia no Palácio dos Bandeirantes, onde a Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento (Seads), a Unicef, o Instituto Sou da Paz, a Rede Globo de Rádio e Televisão e a entidade "Serviço Social Bom Jesus de Piraporinha" assinaram um protocolo de intenções para a execução do projeto "Espaço Criança Esperança". Localizado no Jardim Ângela - bairro com um dos maiores índices de criminalidade da capital -, o centro pretende oferecer atividades educativas, culturais, esportivas e de capacitação profissional para crianças e jovens da região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.