Alckmin não aumentará segurança no Pontal

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse hoje que não pretende aumentar a segurança na região do Pontal do Paranapanema por causa do superacampamento que está sendo iniciado na região, sob a coordenação de José Rainha Júnior, uma das lideranças do MST paulista. Alckmin adverte que não irá admitir turbulências no Pontal nem pressão para acelerar os assentamentos. "Deixei muito claro que comportamento abusivo, invasão, violência, é um desserviço à reforma agrária, e não vai ser tolerado". "E mais, ninguém vai furar fila pois existe uma ordem, uma lista de famílias que estão esperando a terra, selecionadas com critério."Para ele, a escolha das famílias vem dando bons resultados na reforma agrária "Quem não tem vocação rural vai embora poucos anos depois e o assentamento fracassa", afirmou. O governador disse que recebeu informações do secretário de Justiça, Alexandre Morais, de que a situação na área do megaacampamento está tranqüila. "Estamos atentos e alertas, até agora não aconteceu nada", disse.O governador reafirmou que dentro de uma a duas semanas espera ter finalizado o texto de projeto de lei, que será enviado à Assembléia Legislativa, para regularizar a situação fundiária no Pontal. "Queremos acabar com a intranquilidade na região e permitir a volta dos investimentos, o caminho é o caminho é o do diálogo e nós estamos construindo essa nova lei conversando com o MST, com os ruralistas e com a sociedade", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.