Alckmin manda investigar atuação de filho de Paulinho

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), determinou ontem que a Corregedoria-Geral da Administração, ligada à Casa Civil, investigue a atuação de Alexandre Pereira da Silva, filho do candidato à Prefeitura pelo PDT, o deputado Paulo Pereira da Silva, na Secretaria de Emprego e Relações do Trabalho.

AE, Agência Estado

19 de julho de 2012 | 09h02

Na pasta, Alexandre comandava um "escritório paralelo", como revelou ontem o jornal O Estado de S.Paulo. Apresentado como "coordenador", ele recebia prefeitos e decidia sobre a aplicação de recursos de programas da pasta sem ocupar cargo formal. Ontem, Alexandre pediu demissão para não atrapalhar a campanha eleitoral do pai.

O filho do presidente licenciado da Força Sindical chefiava na prática a Coordenadoria de Operações da pasta, responsável por 243 postos de atendimento a trabalhadores, uma importante vitrine eleitoral no interior paulista. Alexandre tinha gabinete e secretária. No papel, no entanto, o cargo era ocupado por Marcos Wolff, um funcionário de carreira sem ligações partidárias.

A secretaria é controlada pelo PDT desde março, após acordo no qual Paulinho indicaria o titular da pasta em troca do apoio à reeleição de Alckmin em 2014. Alexandre entregou uma carta de demissão ao secretário, o sindicalista Carlos Ortiz, nomeado para o cargo por indicação de seu pai. Segundo o governo estadual, Alexandre trabalhava na secretaria como funcionário contratado da Fundação para o Desenvolvimento das Artes e da Comunicação (Fundac), que tem dois contratos com a pasta para assistência técnica à coordenação de políticas de emprego e renda.

Embora tenha pedido investigação, Alckmin disse não haver, em princípio, desvios de função de Alexandre na secretaria. "Ele é funcionário contratado pela Fundac exatamente para fazer este trabalho: cuidar de políticas públicas voltadas a emprego e renda. Ele ajuda, assessora o coordenador", afirmou ontem em visita às obras de prolongamento da Linha-2 Verde, na zona leste da capital. Segundo Alckmin, Alexandre trabalhava na área de emprego e renda, atuação esperada da Fundac em relação ao governo. "Não vejo nenhum problema nisso."

O candidato a prefeito de São Paulo pelo PDT, Paulo Pereira da Silva, também afirmou ontem não haver irregularidades na atuação de Alexandre na Secretaria de Estado de Emprego e Relações do Trabalho. "Ele era funcionário terceirizado da secretaria e só por ser filho de deputado (federal) não pode trabalhar?", disse Paulinho ontem, durante ato de campanha.

Segundo o pedetista, a decisão do filho de deixar a Fundac e, consequentemente, a secretaria, foi tomada para não prejudicar sua campanha à Prefeitura. "Pesquisas (eleitorais) estão me dando embaixo, e eu estou apanhando. É perseguição. Percebo, claramente, uma tentativa de prejudicar minha candidatura."

Ele não disse, porém, de quem partem os ataques contra ele. Embora não saiba especificar as atividades de Alexandre no órgão, o candidato do PDT afirmou que ele não chefiava a Coordenadoria de Operações. "Eu não sei qual a função dele, não sei nem onde é a Secretaria do Trabalho."

Questionado sobre ter um filho trabalhando em uma secretaria comandada pelo PDT, partido que preside no Estado, Paulinho se irritou e destacou não haver nenhum contrato entre a Força Sindical e os governos federal, estadual e municipal. "Meu partido tem uma secretaria importante e vamos continuar participando do governo do Estado." As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
trabalhoPDTAlckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.