Eduardo Saraiva|A2img
Eduardo Saraiva|A2img

Alckmin libera R$ 121 milhões em emendas ao orçamento um mês após rebelião de aliados

Governador autorizou repasses a obras e projetos sugeridos por 66 deputados estaduais da base e da oposição; bancada do PSDB na Assembleia resistiu à votação de mudanças no ICMS, mas projeto acabou aprovado

Ricardo Chapola, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2015 | 11h44

SÃO PAULO - O governador Geraldo Alckmin liberou nessa quarta-feira, 9, R$ 121 milhões em emendas parlamentares e convênios firmados com municípios e entidades sociais. As emendas são instrumentos legislativos pelos quais os deputados conseguem repassar dinheiro dos cofres estaduais para os seus redutos.

A liberação dos recursos ocorreu menos de um mês depois do tucano enfrentar uma rebelião com parte de sua base aliada na Assembleia Legislativa de São Paulo durante a votação  da proposta de aumento da alíquota de ICMS sobre a cerveja. O governador sofreu resistência de parte da bancada do PSDB durante o trâmite do projeto na Casa, mas o projeto acabou aprovado depois que governo aceitou fazer mudanças no texto.

Alckmin liberou emendas de 66 deputados, incluindo de parlamentares da oposição. O governador firmou também 829 convênios, sendo 414 com municípios e outros 434 com entidades sociais.

Segundo a administração estadual, as emendas estavam 'represadas' desde 2014, quando Alckmin disputou a reeleição e estava impedido pela legislação eleitoral de tomar esse tipo de medida. O governo também atribuiu o atraso do repasse à crise econômica, que afetou a arrecadação de impostos. A queda na arrecadação teria sido de R$ 7,5 bilhões.

Satisfeito. O líder do PSDB na Assembleia, Carlão Pignatari, disse estar satisfeito com o valor que foi liberado por Alckmin. "Foi o que foi possível com a crise econômica", afirmou o tucano, que negou qualquer tipo de relação entre a liberação de emendas e a rebelião de parte da base de Alckmin. "Não tem nada a ver com rebelião. Estávamos discutindo isso há quase 90 dias. Estávamos vendo a hora de ter recurso em caixa para não ficar no déficit".

O líder do PT na Assembleia, Geraldo Cruz, classificou o valor referente às emendas de "mixaria" e afirmou que é uma estratégia de Alckmin para tentar "ganhar deputados" nas votações que tramitam na Casa. "O governo anunciou uma mixaria dessas que vai ficar como 'resto a pagar'. É uma enganação para ver se ganha uns deputados aqui na Casa", disse. "Estão passando mel na boca do pessoal para ver se vota outras matérias que estão tramitando por aqui".

O deputado estadual Carlos Giannazi (PSOL), que também teve quatro emendas liberadas, disse que Alckmin autorizou o repasse para evitar dificuldades durante a votação do orçamento, que deve ocorrer na semana que vem. "Eu achei uma miséria total. Ele (Alckmin) só liberou parte das emendas para domesticar sua base", disse Giannazi. "Isso é por conta da votação do orçamento, na semana que vem. Ele não quer obstrução. Quer consenso. Muitas emendas serão apresentadas e ele vai querer vetar todas elas".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.